‘Carregadores do Monte’ é destaque no Curta Santos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Carregadores do Monte’ é destaque no Curta Santos

Luiz Zanin Oricchio

16 de outubro de 2013 | 10h09

Carregadores do Monte, de Cássio Santos e Julio Lucena, mostra o cotidiano dos homens que conduzem cargas para os moradores do Monte Serrat. Esse belo trabalho é um dos cinquenta filmes que serão exibidos no 11º Curta Santos – o importante festival de cinema que acontece na cidade da Baixada até o dia 19. Dessas produções, dez serão selecionadas para concorrer ao Troféu Maurice Legeard de melhor filme, diretor, ator e atriz, entre outras categorias.

O Curta Santos vem se consolidando ao longo de suas dez edições como festival referência da Baixada. Nesta sua 11ª edição, traz filmes de várias regiões do País, como Graça (RJ), Sanã (MG), Pátio (PR), Ed (RS), entre outras.

Mas a sensação deve ser mesmo Carregadores do Monte, que desvenda um dos aspectos escondidos da própria cidade. O Monte Serrat é um dos pontos turísticos de Santos e os visitantes sobem ao cume por meio de um teleférico. Lá desfrutam de uma vista privilegiada do porto e da cidade. No entanto, muita gente mora nas encostas. E precisam fazer subir suas mudanças, compras e material de construção. Não é nada fácil enfrentar os 402 degraus da escadaria do Monte Serrat, ainda mais com peso no lombo. Mas muita gente vive realizando esse tipo de transporte para os moradores. Amoroso com seus personagens, Carregadores do Monte desvenda uma cidade oculta mesmo para moradores cujo olhar se limita à bela orla marítima da cidade. Deve disputar os principais prêmios da seção Olhar Caiçara.

Há, na parte nacional do Curta Santos, concorrentes muito fortes aos prêmios. Entre eles, Sanã, de Marcos Pimentel, que mostra a vida de um garoto albino exposto ao sol e ao sal dos Lençóis Maranhenses. Silencioso e pungente com suas imagens, quase sem falas, Sanã tem feito sucesso em festivais Brasil afora. Outro candidato que deve entusiasmar o público, sobretudo o mais jovem, é a sofisticada animação Ed, do gaúcho Gabriel Garcia.

Como seu próprio nome diz, a ênfase do Curta Santos recai sobre os filmes de metragem menor. Mas, além da deliberada ambiguidade do nome (Santos é mesmo uma cidade a ser curtida), o festival passou a incluir longas-metragens em sua programação. Este ano as atrações são o documentário O Dia que Durou 21 Anos, de Camilo e Flávio Tavares, que abriu o festival na noite de ontem, além de Cores, de Francisco Garcia, e A Memória que me Contam, de Lúcia Murat. O homenageado deste ano é o ator Caio Blat, que participou de muitos longas brasileiros e atualmente vive um monge na novela Joia Rara, de TV Globo. A programação completa do festival pode ser conferida no site WWW.curtasantos.com.br

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.