As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boorman reencontra Dira Paes na Amazônia

Luiz Zanin Oricchio

09 de novembro de 2007 | 07h41

Amigos, vou para Manaus cobrir o Festival de lá. Abaixo a minha matéria de hoje no Caderno 2 sobre o evento. Mando notícias.

Em 1985, o cineasta britânico John Boorman (de Amargo Pesadelo, Excalibur e O Alfaiate do Panamá) foi à Amazônia filmar A Floresta das Esmeraldas. No elenco, uma adolescente estreante, que depois faria sucesso no cinema e na televisão do Brasil, Dira Paes. Boorman e Dira se reencontram agora durante o Amazonas Film Festival, em sua 4ª edição, que se realiza de hoje a 15 em Manaus.

Em conversa com o Estado, Dira conta como foi o encontro com Boorman: ‘Eu tinha 15 anos e fazia teatro no colégio Marista quando soube dos testes para essa superprodução da Embassy Films. Havia umas 300 candidatas, e uma semana depois soube que tinha ganho o principal papel feminino do filme.’

A atriz conta que esse trabalho mudou sua vida: ‘Eu não pensava ser atriz, queria a engenharia civil. Mas sabia que não poderia ignorar aquela porta que havia se aberto. O filme me deu a segurança de ir para o Rio e continuar a carreira de atriz.’ Dira conta que procurou seguir a carreira de John Boorman depois disso: ‘O último filme dele que vi foi O Alfaiate do Panamá, e será uma emoção muito grande reencontrá-lo em Manaus.’

Boorman será o presidente do júri da mostra competitiva que terá oito concorrentes: Assembly, de Feng Xiaogong (China), Far North, de Asif Kapadia (Reino Unido), Voleurs de Chevaux, de Micha Wald (Bélgica), Na Mira do Inimigo, de Florent Emilio Siri (França), Lucky Miles, de Michael James Rowland (Austrália), O Signo da Cidade, de Carlos Alberto Riccelli (Brasil), Se o Vento Levanta a Areia, de Marion H‰nsel (Bélgica/França) e O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford, de Andrew Dominik (EUA). Na quarta, dia 14, véspera do encerramento, Boorman será homenageado no Teatro Amazonas com a exibição de A Floresta das Esmeraldas.

Além da competição de longas de ficção, haverá o concurso de documentários, com 12 títulos: Before the Food, de Jos de Putter (Holanda), Black Samurai, de Jean Queyrat (França), Big Brother, de Jamie Robertson (Reino Unido), Busman’s Secret, de Rehad Desai e Richard Wiksteed (África do Sul), Chernobyl Reclaimed, de Peter Hayden (Holanda), Galapagos – Born Fire, de Jérôme Raynaud (França), Megafalls of Iguaçu, de Christian Baumeister, o nacional Navegar Amazônia, de Jorge Bodanzky e Evaldo Mocarzel, The Etiopian Wolf, de Charles-Antoine de Rouvres (França), The Great Warming, de Michael Taylor (Canadá) e The Mud, de Marcel Hartawan (Cingapura).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.