As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boas estréias no aniversário de São Paulo

Luiz Zanin Oricchio

25 Janeiro 2008 | 15h37

Um fim de semana de boas estréias. Aliás, algumas ótimas. Como Paranoid Park, de Gus Van Sant, e 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias, de Cristian Mungiu.

Ambos trabalham com o cinema de maneira nada convencional. Os temas? A adolescência, num caso; o aborto numa sociedade fechada, em outro. Como todo grande filme, estes dois também vão além do que propõem as suas temáticas. Vale a pena ver.

Em registro mais convencional, e nem por isso pouco interessante, O Signo da Cidade, dirigido por Carlos Alberto Riccelli a partir de um texto de Bruna Lombardi, que também interpreta o papel principal.

A idéia básica é fazer um filme coral, um painel com vários personagens de vidas desencontradas nesta metrópole que aniversaria hoje.

Em quase todo filme sobre São Paulo, a nota recai sobre a barbárie da cidade, a sua capacidade de alienação, a impessoalidade, etc. Isso desde o maior de todos eles, São Paulo S/A, de Luis Sérgio Person.

Em O Signo da Cidade, essa nota de desespero tem a contrapartida num humanismo que é uma réstia de esperança. Por isso mesmo a forma suaviza o conteúdo. Vale a pena.

Escrevi sobre os três hoje no Caderno 2. Depois transcrevo as críticas no blog.