Bibi
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bibi

Inolvidável foi a interpretação de Bibi Ferreira na peça Gota d’Água, tomada pela personagem trágica a ponto de levar a platéia à catarse - que, aliás, é a finalidade da tragédia

Luiz Zanin Oricchio

14 de fevereiro de 2019 | 14h13

Não acompanhei a fundo a carreira de Bibi Ferreira e os obituários de hoje estão muito ricos – como rica foi sua trajetória de vida e arte.

Assim, não vou chover no molhado, como se diz. Queria apenas recordar algo.

Nos anos 1970, 76 ou 77, creio, eu estava no Rio e fui ver a peça Gota d’Água, de Chico Buarque e Paulo Pontes. Bibi fazia Joana, personagem inspirada em Medeia. Traída por Jasão, Joana/Medeia vinga-se matando os filhos que tivera com ele.

A tragédia de Eurípedes é terrível e, ambientada pelos autores à realidade brasileira, ganha amplitude insuspeitada. A ressonância desse texto antigo, remodelado, em nosso inconsciente, é algo marcante, para sempre.

Mas inolvidável, mesmo, foi a interpretação de Bibi Ferreira, tomada pela personagem trágica a ponto de levar a platéia à catarse – que, aliás, é a finalidade da tragédia.

Tanta coisa vivida nestes anos todos, tantos filmes vistos, livros lidos, peças assistidas, músicas ouvidas, trabalho à beça, viagens, textos escritos, alegrias e desgostos, e nunca me esqueci de Bibi naquele palco, a gritar seu ódio de mulher traída e decidir-se pela vingança mais infame. Quanta potência! Quanta vida naquela personagem atormentada!

Grande Bibi. Descanse em paz.

Tudo o que sabemos sobre:

Bibi FerreiraGota d'Agua

Tendências: