Belmonte ganha o Cine Ceará
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Belmonte ganha o Cine Ceará

Luiz Zanin Oricchio

04 de agosto de 2009 | 22h16

nada

Se Nada Mais Der Certo, de José Eduardo Belmonte, foi o grande vencedor do 19° Cine Ceará. Além de melhor filme, levou os troféus de diretor (Belmonte), ator (Cauã Reymond e edição. É um filme cheio de energia, que bota fogo na tela com sua câmera inspirada e trabalho de som inusitado. Mereceu. O documentário Humberto Teixeira: o Homem Que Engarrafava Nuvens também foi bem preemiado, com os troféus de som e roteiro, além do prêmio da crítica. O mexicano Coração do Tempo ficou com o Prêmio Especial do Juir, o cubano Os Deuses Quebrados levou direção de arte e atriz (a incrível Annia Bú). O argentino Homo Viator levou fotografia e À Deriva, de Heitor Dhalia, ficou com trilha sonora. O melhor curta-metragem foi Os Sapatos de Aristeu. Para os curtas, o prêmio da crítica foi para Superbarroco.

Sem pensar muito no assunto, a primeira impressão é de que houve equilíbrio na premiação. Sempre se pode fazer um ou outro reparo, mas são detalhes. Acho que se premiou, com acerto, a ousadia de José Eduardo Belmonte, alguém que de fato faz um cinema diferente no Brasil.

A premiação completa segue abaixo:

19º Cine Ceará anuncia os vencedores

“Se Nada Mais Der Certo”, de José Eduardo Belmonte, é escolhido como o Melhor Longa-Metragem

Na noite de hoje, 4 de agosto, o 19º Cine Ceará – Festival Ibero-Americano de Cinema anunciou, em cerimônia no Centro Cultural Sesc Luiz Severiano Ribeiro, os vencedores da mostra competitiva ibero-americana de longa-metragem e brasileira de curta-metragem.

Na categoria longa-metragem, Se Nada Mais Der Certo, de José Eduardo Belmonte, levou os prêmios de Melhor Filme e Melhor Direção. Além do Troféu Mucuripe, o filme ganhou um prêmio no valor de US$ 10 mil (dez mil dólares)

Na categoria curta-metragem, o Troféu Mucuripe de Melhor Curta-metragem foi para Os Sapatos de Aristeu, de René Guerra.

Abaixo segue a lista completa dos premiados:

Mostra Competitiva de Longa-Metragem
Melhor longa-metragem para “Se nada mais der certo”, de José Eduardo Belmonte; por desenvolver uma linguagem que retrata criativamente a contemporaneidade de uma metrópole onde emergem as contradições e aspirações de jovens em busca de seu destino
Melhor Direção para “José Eduardo Belmonte” por “Se nada mais der certo”; considerando a harmonia com que equilibra os diversos elementos da rica tessitura do filme, a força interpretativa e profundamente humana que imprime a atuação de seu eleito
Melhor Fotografia para “Jorge Crespo” por “Haroldo Conti – Homo Viator”; filme argentino
Melhor Montagem para “Frederico Ribeincher” por “Se nada mais der certo”;
Melhor Roteiro para “Lírio Ferreira” por “O Homem que Engarrafava Nuvens”;
Melhor Trilha Sonora para “Antônio Pinto” por “Á Deriva”;
Melhor Som para “Zezé Dalice e Waldir Xavier ” por “O Homem que Engarrafava Nuvens””;
Melhor Direção de Arte para “Erick Grass” por “Os Deuses Quebrados”; de Cuba
Melhor Ator para “Cauã Raymond” por “Se Nada Mais der Certo”;
Melhor Atriz para a cubana “Annia Bú” por “Os Deuses Quebrados”.

Mostra Competitiva de Curta-Metragem
Melhor Curta-metragem para “Os Sapatos de Aristeu”, de René Guerra;
Melhor Direção para “Gilberto Scarpa” por “Os filmes que não fiz”;
Melhor Fotografia para “Ivo Lopes” por “A Montanha Mágica”;
Melhor Montagem para “Vinicius Calderoni” por “Os Sapatos de Aristeu”;
Melhor Roteiro para “René Guerra” por “Os Sapatos de Aristeu”;
Melhor Som para “Alessandro Laroca” por “Silêncio e Sombra”;
Melhor Direção de Arte para “Dani Vilela e Karen Araujo” por “Superbarroco”;
Melhor Ator para “Everaldo Pontes” por “Superbarroco”;
Melhor Atriz para “Ceronha Pontes” por “A Mulher Biônica”;
Menção Honrosa para “Sweet Karolynne”, de “Ana Barbara Ramos”, pela construção de uma narrativa que preserva a pureza e a inocência da personagem, ao mesmo tempo que apresenta a complexidade de seu universo particular.
Melhor Produção Cearense ao curta “A Mulher Bionica”, de “Armando Praça”.
Melhor Curta da Mostra Fortaleza Verde Imagem para “As Crianças e a Mata”, de “Gerardo Damasceno”.

Prêmio Especial do Júri
Por trazer uma cultura distante do nosso universo e por resgatar memórias e sensações que parecem perdidas, outorga-se, por unanimidade, o Premio Especial do Júri ao filme mexicano “Coração do Tempo”, de Alberto Cortés

Prêmio Oscarito da Câmara Municipal de Fortaleza
Pela tenacidade com que mergulhou em seu projeto e conseguiu levá-lo a tela, resgatando a importância de Humberto Teixeira para a Cultura Brasileira, o júri decide outorgar o Prêmio Oscarito da Câmara Municipal De Fortaleza vai para Denise Dumont, do filme “O Homem que Engarrafava Nuvens”.

Prêmio BNB
O júri de longa-metragem, em concordância com o júri de curta-metragem, decide outorgar o Prêmio Banco do Nordeste do Brasil a Melhor Produção com Temática Nordestina ao filme “O Homem que Engarrafava Nuvens”, do diretor Lírio Ferreira.

O Júri da Mostra Competitiva de curta-metragem foi presidido por Esdras Rubim e composto por José Acevedo, Lis Kogan, Nirton Venancio e Silvio Toledo. O Júri da Mostra Competitiva de longa-metragem foi presidido por Wilson Cunha e composto por Steve Solot, Settimio Presutto, Beatriz Bermudez e Gianfranco Annichini.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.