Arte de guerrilha na ‘Cidade Cinza’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Arte de guerrilha na ‘Cidade Cinza’

Luiz Zanin Oricchio

27 de novembro de 2013 | 19h12

São Paulo é uma cidade opressiva. Cinzenta. Não tem mar. Esmaga seus moradores, com seu trânsito indescritível, seu traçado caótico, sua feiura brutal, o excesso de ruído. Desse modo, e com grandes planos aéreos da metrópole assustadora quando vista de cima, começa o filme. Vemos uma mancha urbana a perder de vista. Monótona, pontiaguda, com seus edifícios que brotam fora de controle, ao deus-dará. As vozes que acompanham as imagens, em puro paulistanês, falam dessa opressão das ruas. E dizem do desejo de colocar um pouco de cor nesta, com perdão do clichê, selva de asfalto e concreto armado.

Assisti outro dia ao documentário Cidade Cinza, de Marcelo Mesquita e Guillherme Valiengo, com grande prazer. Essa turma que deseja colocar cor nas ruas é formada pelos grafiteiros que, armados de talento e suas latinhas de spray, jogam cores nos edifícios e paredes da cidade. Desenham, pintam, fazem arte. E nem sempre são reconhecidos. Pelo contrário, muitas vezes são acusados de emporcalhar ainda mais a cidade. O filme é a história deles, em especial de Os Gêmeos – Otávio e Augusto Pandolfo – e outros: Nina, Nunca, Zefix, Finok e Ise, em sua busca de espaço e reconhecimento.

O epicentro, digamos assim, do documentário é um painel numa muralha do centro, apagado na gestão de Gilberto Kassab. Com a lei da cidade limpa, o painel foi considerado sujeira e recoberto por uma “higiênica” tinta cinza. Para ornar com o resto do ambiente, vizinho à bucólica Avenida 23 de Maio. A luta para reocupar com arte aquele espaço cinza é uma espécie de simbologia do grupo. Uma simbologia vitoriosa, afinal de contas. O painel foi repintado, sob os auspícios da Prefeitura, numa espécie de mea culpa por não saber distinguir entre arte e rabisco. O próprio prefeito, e o secretário da Administração da Sé, Andrea Matarazzo, compareceram ao ato, quando o painel ficou pronto.

Ok, este o lado oficial, digamos, da história. Mas que, por outro lado, revela seu aspecto mais aventureiro quando os rapazes e moças dizem do prazer que é sair pela cidade munidos de seus sprays em busca de um lugar para pintar. Um deles, diz que o prazer de grafitar só se compara ao sexo. É um ato de liberdade. E de uma técnica que se vai construindo à medida mesmo em que vai sendo feita. O grafiti pode ser visto como uma das manifestações do hip hop, da cultura urbana de periferia, ao lado do break, dos DJs. Arte pop do século 21. Goste-se ou não.

O fato é que os painéis alegremente coloridos dos Gêmeos, com sua pegada algo surrealista e fantástica acabou tendo reconhecimento internacional. E, como se sabe, no Brasil essa é a condição necessária, suficiente e indispensável para o sujeito começar a ser levado a sério por aqui. Somos, de tal forma, colonizados e dependentes da opinião externa, que precisamos desse aval dos outros para acolher nossos artistas. E Os Gêmeos, que pintaram painéis no exterior, sobretudo na Europa e nos Estados Unidos, ganharam esse aval.

De modo que hoje sua obra já pode ser objeto de conversas entre galeristas e críticos de arte. Alguns deles são ouvidos, mas sente-se que essas entrevistas não são para dar respaldo a uma manifestação que se sustenta por si só. Estão lá para comentar exatamente essa dignidade artística conquistada pelos grafiteiros após haverem sido tratados como poluidores da metrópole. Como se esta primasse pela higiene e pela beleza, conspurcadas por desenhos exibidos em paredes nuas.

Cidade Cinza tem, como filme, um ritmo gostoso, embalado pela música de Criolo e Daniel Ganjaman. Seus melhores momentos não estão tanto nos depoimentos (embora alguns sejam muito interessantes), mas pelo registro bem montado do acúmulo de imagens e cores, que vão cobrindo a cidade com seu manto, iluminando-a e humanizando-a até onde isso é possível.

Arte de guerrilha, o grafite não se acomoda muito a reconhecimentos oficiais e a discursos de políticos.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: