As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Adeus a Claude Jade

Luiz Zanin Oricchio

02 de dezembro de 2006 | 22h38

Leio agora, no portal do Estadão, sobre a morte de Claude Jade, atriz francesa que se notabilizou por alguns dos melhores filmes de François Truffaut – em especial Beijos Roubados, Domicílio Conjugal e Amor em Fuga. Claude contracenava com Jean-Pierre Léaud que, por sua vez, era uma espécie de alter ego de Truffaut, desde a estréia em longa do diretor com Os Incompreendidos. Na série de que Claude participou, o protagonista era o jovem Léaud/Truffaut, que se iniciava nas artes do amor, depois casava-se e descasava-se no filme seguinte e, no terceiro, recapitulava todo o romance. Claude era uma presença discreta mas marcante, em especial em Beijos Proibidos (má tradução para Baisers Volés). Bem, o que se pode dizer é que ela foi decisiva para esta que talvez seja a mais deliciosa comédia romântica já produzida na história do cinema. O espectador sai da sala de bem com a vida e assobiando a música de Charles Trenet da qual sai o título original do filme: “Que reste-t-il de nos amours, etc”. Abençoada seja quem contribuiu para a nossa alegria.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.