As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A última sessão do Belas Artes

Luiz Zanin Oricchio

18 de março de 2011 | 00h34

Pronto, acabou. Fui lá, ao Belas Artes, acompanhar o encerramento do cinema. Estava cheio como nunca. Televisões, repórteres, velhos e novos frequentadores. Sobretudo jovens. Mas os velhotes, os do tempo do Riviera, estavam lá. Foi uma confraternização, que oscilava com o clima de velório. Havia coisas engraçadas, como um bonequinho de vudu, representando o proprietário do imóvel. As pessoas eram convidadas a espetar umas agulhinhas nele.

Encontrei gente que não via há muitos anos. Rimos e brincamos, com uma certa melancolia. Dei um abraço no André Sturm, o dono do cinema, e cumprimentei-o pela luta. Na hora, esqueci de dizer a ele que é sempre melhor cair lutando do que entregar os pontos. Aliás, o André fez uma coisa legal. Antes de cada sessão, entrava na sala, falava um pouco do cinema, sem qualquer pieguice, e agradecia às pessoas por estarem lá dando uma força. E curtindo uma última sessão como despedida do velho cinema.

Fui lá só para dar o tal abraço no André e sentir o clima. Mas não resisti e acabei entrando numa das sessões para ver um filme. Escolhi O Joelho de Claire, um Rohmer delicioso. No final, a plateia aplaudiu. Notei que as palmas não eram tanto para o filme, mas para o cinema que o exibia. Na saída, ainda encontrei alguns amigos, que deixavam a sessão da sala ao lado – era O Leopardo, de Luchino Visconti.

Fui embora, sem olhar para trás. Despedidas me incomodam um pouco, em especial quando se prolongam demais.

Guardei o ticket da última sessão. Sala Aleijadinho, 21h32, O Joelho de Claire. A última sessão de cinema, como no filme do Peter Bogdanovich. Vou guardar o ingresso na carteira, como lembrança. Se, por acaso, o tombamento do cinema vingar e ele voltar à ativa, pego o ticket, faço uma bolinha de papel e jogo fora.

Com a maior alegria.

Tudo o que sabemos sobre:

Cine Belas ArtesCinemapatrimônio cultural

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.