A retrospectiva 2013 e os meus melhores filmes do ano
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A retrospectiva 2013 e os meus melhores filmes do ano

Luiz Zanin Oricchio

27 de dezembro de 2013 | 15h23

Uma cidade como São Paulo apresenta média de 400 estreias, apenas no circuito comercial. Isso sem falar nas mostras, retrospectivas e festivais. É uma cidade cinéfila e, por isso, ao fatiarmos o filé mignon nosso de cada fim de ano, verificaremos saldo em geral positivo. Mesmo que a enxurrada de filmes ruins, medíocres e repetitivos se imponha no dia a dia e nos faça crer que o cinema acabou, há sempre um bom número de lançamentos a serem saudados. São as exceções.

Por exemplo, como não ficar contente ao constatar que passaram pelas telas filmes notáveis e tão diferentes como Era uma Vez na Anatólia, do turco Nuri Bilge Ceylan, Um Toque de Pecado, do chinês Jia Zhang-ke, O Som ao Redor, do brasileiro Kléber Mendonça Filho, Tabu, do português Miguel Gomes, e A Grande Beleza, do italiano Paolo Sorrentino? Foram os cinco melhores lançamentos do ano, em minha opinião.

Mas a alegria de constatar a excelência dos eleitos não é menor que a de ver a batelada de outros belos filmes deixados de fora da lista, como os excepcionais Depois de Maio, de Olivier Assayas, O Estranho Caso de Angélica, de Manoel de Oliveira, e tantos outros. Ao fazermos nossas listas, constatamos que o ano não foi tão mau assim. E que sobrevivemos da inevitável enxurrada de lixo hollywoodiano graças a algumas compensações singelas, como o fato de o grande Marco Bellocchio ter dois filmes lançados no Brasil no mesmo ano – A Bela que Dorme e Irmãs Jamais.

Para o cinema brasileiro, 2013 foi também um ano digno de nota. Mais de cem lançamentos e um público que bateu na casa dos 25 milhões. Não é o ideal, mas não deixa de ser um marco positivo. Claro que a grande maioria desses ingressos foram vendidos para as inevitáveis comédias da Globo Filmes e sua absoluta falta de imaginação. Ou seja, mais do mesmo, sejam quais forem os comentários benévolos que esses filmes recebam de “críticos” integrados. Crítica não é press release. Ou não deveria ser.

Mas o ano das comédias teve também, para compensar, o lançamento do excepcional O Som ao Redor, de Kléber Mendonça Filho, um dos mais importantes filmes brasileiros dos últimos anos. Quando, digamos, daqui a dez anos, as comédias forem apenas um marco estatístico, O Som ao Redor estará sendo ainda discutido como uma cristalização de impasses e contradições políticas e estéticas dos anos 2000 no País. Não é pouco, e o filme já vem fazendo esse percurso pelo que resta da inteligência do País.

O Som ao Redor não foi o único. O circuito viu ainda outros excelentes lançamentos nacionais, como as ficções Hoje, de Tata Amaral, e Tatuagem, de Hilton Lacerda, além de documentários marcantes como O Dia que Durou 21 Anos, de Camilo Tavares, e Mataram meu Irmão, de Cristiano Burlan, entre outros. Hoje  entrou em cartaz São Silvestre, de Lina Chamie, um dos grandes filmes do ano. Uma São Paulo sensorial, “vista” pelo olhar de corredores da sua principal prova de rua. Como sabe qualquer paulistano, a São Silvestre, corrida no último dia do ano, faz parte da memória afetiva da cidade, embora tenha sido desfigurada e seu horário mudado pelos interesses da TV.

Tudo isso no plano dos lançamentos. Mas não seria justo encerrar um balanço de 2013 sem evocar algumas  retrospectivas que pudemos ver nas telas do circuito alternativo do cidade. Autores como Jacques Rivette, Eric Rohmer e Maurice Pialat ganharam mostras completas no CCBB. O Cinesesc promoveu uma estupenda revisão dos filmes de Billy Wilder, com cópias impecáveis. E a Mostra de São Paulo, em parceria com o MIS, ao recolocar na tela grande os filmes de Stanley Kubrick relembrou a todos porque ele foi um imenso diretor. No quadro do Festival Italiano, o MIS fez também uma bela retrospectiva dos irmãos Taviani, em maravilhosas cópias 35 mm.

Todas as contas feitas, o ano valeu.

Meus melhores: 

Era uma Vez na Anatolia, de Nuri Bilge Ceylan (Turquia)

Através de uma investigação criminal, cuja trama se revela pouco a pouco, temos a imersão na realidade rural da Turquia, num filme cheio de inspiração, paixão e mistério.

Um Toque de Pecado, de Jia Zhang-ke (China)

A China contemporânea, aderindo a toque de caixa ao capitalismo selvagem, é radiografada através de quatro casos sangrentos da crônica policial. O talento de Jia Zhang-ke, como um dos mais importantes, senão o mais importante cineasta contemporâneo, se reafirma de filme a filme.

O Som ao Redor, de Kléber Mendonça Filho (Brasil)

A estreia de Kléber Mendonça Filho na ficção de longa-metragem é, possivelmente, o filme brasileiro mais relevante dos últimos anos. Com linguagem inovadora, porém não hermética, Kleber opera uma espécie corte transversal da sociedade de classes no Brasil. A reciclagem do capital rural na especulação imobiliária é traçada de forma brilhante.

Tabu, de Miguel Gomes (Portugal)

Em estilo altamente pessoal, Miguel Gomes revisita, sob a forma de mito, a desastrosa presença colonial portuguesa na África. É um retrato de Portugal de ontem e de hoje, pintado de forma monocromática, e com a devida melancolia.

A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino (Itália)

Visão apocalíptica de Paolo Sorrentino da Itália contemporânea. Toni Servillo interpreta um cronista social com vagas aspirações literárias que se move por uma Roma tanto suntuosa quanto decadente. Há quem veja em A Grande Beleza uma revisão de A Doce Vida, de Fellini, de 1960.

E mais:

Depois de Maio, de Olivier Assayas

O Estranho Caso de Angélica, de Manoel de Oliveira

Almas Solitárias, de Alexei Fedorchencko

Amor, de Michael Haneke

A Jaula de Ouro, de Diego Quemada-Diez

São Silvestre, de Lina Chamie

O Azul é a Cor mais Quente, de Adbellatif Kechiche

A Bela que Dorme, de Marco Bellocchio

O Estranho do Lago, de Alain Guiraudie

Pais e Filhos, de Kore-Eda *

A Filha de Ninguém, de Wong Sang-Soo

Blue Jasmine, de Woody Allen

A Caça, de Thomas Vinterberg

O Capital, de Constantin Costa-Gavras

César Deve Morrer, dos irmãos Taviani

Django Livre, de Quentin Tarantino

Hoje, de Tata Amaral

Irmãs Jamais, de Marco Bellocchio

Las Acácias, de Pablo Giorgelli

Lincoln, de Steven Spielberg

O que se Move, de Caetano Gotardo

Na Neblina, de Sergei Loznitsa

Reality, de Matteo Garrone

* Já havia completado essa lista quando fui assistir ao magnífico Pais e Filhos, de Kore-Eda. Depois de vê-lo, não há como deixá-lo de fora.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.