As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A inflação das palavras

Luiz Zanin Oricchio

05 de janeiro de 2011 | 19h15

Como se sabe, surge um “gênio” a cada semana. Na música popular, na literatura, no cinema, no teatro. E, por conseqüência, a cada dia somos brindados com uma nova “obra-prima”, um divisor de águas para marcar época, um feito estupendo do engenho humano.

Como dizer que uma pessoa é muito boa no que faz não parece o suficiente, logo se diz que é genial, mesmo que caia no esquecimento com a mesma velocidade com que despontou para a glória temporária.

Da mesma forma, as atuais obras-primas parecem tão efêmeras como chuvas de verão.

Essas palavras enfeitam uma manchete de jornal e no dia seguinte já não valem mais nada. Desgastam-se como dinheiro sem lastro, numa espécie de inflação vernacular.

Outra bastante inflada é a palavra “crise”. Qualquer marolinha é uma crise, um verdadeiro tsunami que, em geral, se resolve por si só, quando o dia amanhece.

É dessa espécie, parece, a “primeira crise do governo Dilma”, com a mais do que previsível disputa por cargos.

Vamos respeitar as palavras? Pensar bem é dar o justo valor e peso a cada uma delas.

Tudo o que sabemos sobre:

crisegêniosobras-primaspalavras

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: