A fala de Raduan Nassar
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A fala de Raduan Nassar

Luiz Zanin Oricchio

18 de fevereiro de 2017 | 09h35

 

raduan

A coragem e a oportunidade da fala de Raduan Nassar ao receber o Prêmio Camões são evidentes. Mas é preciso também fixar a qualidade e a lucidez de suas palavras.

Raduan destacou desmandos atuais e tocou em tema-tabu ao citar a omissão do Supremo ao longo da ditadura civil-militar (1964-1985). Ligando-a aos tempos atuais, lembrou a participação ativa do Judiciário na condução do golpe de 2016. E falou da ligação do governo Temer com o neoliberalismo “concentrador de riquezas”, que é a sua verdadeira razão de ser. Ou seja, disse o que tinha de ser dito.

Ao tentar responder, Roberto Freire (último a falar, portanto detentor da última palavra), mostrou apenas despreparo. Insinuou que o prêmio ao escritor seria um presente do governo e que o agraciado, portanto, estaria sendo ingrato.

Ora, o Camões é um prêmio conjunto dos Estados do Brasil, Portugal e países africanos lusófonos. Não é uma benesse do governo Temer.

E, portanto, não há qualquer descortesia em recebê-lo e criticar o governo. Assim como, cidadãos, temos o direito de usufruir das obrigações do Estado, como saúde, educação, segurança, etc, sem precisarmos, por isso, dizer amém ao governo.

Que, como todo governo, legítimo ou ilegítimo, é circunstancial e passageiro.
O que não é nem circunstancial e nem passageiro é o legado de quem escreveu livros como Lavoura Arcaica e Um Copo de Cólera.

 

 

Tendências: