As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A biblioteca de Obama

Luiz Zanin Oricchio

20 de janeiro de 2009 | 20h36

Em dia em que não se fala de outra pessoa, a crítica de livros do New York Times, Michiko Kakutani, lembra que Barack Obama é leitor voraz. E que esse hábito, adquirido na infância, tem tudo a ver com a maneira como ele fala, escreve e pensa o mundo. No artigo (em inglês), a jornalista lembra que Obama leu James Baldwin, Ralph Ellison, Emerson, Nietszche e Santo Agostinho. Inspirou-se na biografia de Martin Luther King escrita por Taylor Branch e tem na cabeceira as peças de Shakespeare e a obra-prima de Herman Melville, Moby Dick. Não dispensa autores, ou autoras, contemporâneas como Toni Morrison e Doris Lessing. E lê, frequentemente, o livro dos livros, a Bíblia. No final do seu artigo, Kakutani lembra de outro presidente americano que era devoto dos livros – Abraham Lincoln. Ninguém menos. Lincoln, pelo que se diz, é a referência maior de Barack Obama.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.