As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A arte da crítica

Luiz Zanin Oricchio

22 de março de 2019 | 19h22

 

Alguns de vocês já podem ter notado. Num momento de tédio, criei algo chamado “a arte da crítica”. Vendo depois, o título me pareceu solene e pretensioso. Mas era tarde demais. O mal já estava feito e divulgado. Fica assim.

Não passa de uma série de reflexões provisórias, leituras, rascunhos, equívocos ou o que for, motivada por esse estranho métier de escrever sobre filmes. Não há sistema que os ligue. Meu sistema é não tê-lo.

Fui colocando os posts nos blogs e continuarei a fazê-lo. Mas, para ordenar um pouco essa coisa de natureza caótica, abri uma página no Face com esse título mesmo – A arte da crítica. Procure por esse título na busca do Facebook e você chega à página. Quem se interessar pode acessá-la e, se assim o desejar, curti-la. A vantagem, se existe, é que ali ficarão todos os textos, em sua ordem de publicação, livres e abertos à leitura – e, claro, aos comentários de quem quiser.

Não há periodicidade fixa. Uso a divisa de um jornal anarquista do século 19: “Esce quando può”. Sai quando dá.

A quem podem servir tais textos? Talvez a estudantes, curiosos, insones, desocupados, irmãs e irmãos de ofício. Veremos.

A mim servem para debater comigo mesmo velhas ideias obsessivas e outras novas que vão surgindo pelo caminho.

Talvez me valham para alguma coisa no futuro.

Talvez prestem apenas para atenuar o curso do tempo, como dizia Borges.

Divirtam-se.

A arte da crítica