Clássico de Eisenstein abre mostra russa na Cinemateca
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Clássico de Eisenstein abre mostra russa na Cinemateca

Mostra na Cinemateca Brasileira traz clássicos do cinema soviético, como Aleksandr Nevsky, de Sergei Eisenstein, e Solaris, de Andrei Tarkovski, em cópias restauradas

Luiz Zanin Oricchio

22 de novembro de 2016 | 18h18

nevsky

 

Com uma das obras-primas de Sergei Eisenstein, Aleksandr Nevsky (1938), começa hoje na Cinemateca Brasileira a 3ª Mostra de Cinema Mosfilm.

Nevsky é um épico do tamanho de Eisenstein. Conta a história do príncipe que, em 1242, vê sua região pilhada pelos mongóis. Há outro perigo – os teutônicos invadem o país, semeando o terror. Nevsky recusa a proposta de paz e comanda um exército popular para combater os invasores.

O épico é politicamente incisivo – às vésperas da 2ª Guerra Mundial, já tida como inevitável, tenta mostrar o que acontece a quem se atreve a invadir o território sagrado da Rússia. Napoleão já o havia tentado e Hitler seguiria seu exemplo, com o desfecho que se conhece.

Além dos grandes clássicos e outras atrações da Mostra Mosfilm, está programada a exibição de Solaris, de Tarkovsky, o maior filme de ficção científica ao lado de 2001 – uma Odisseia no Espaço, de Kubrick.

Abaixo, a programação completa.

22/11 (terça-feira) – SALA BNDES | 20:00

20h – Aleksandr Nevsky (Aleksandr Nevskiy/1938)

Direção: Sergei Eisenstein

Na primeira metade do século XIII, o príncipe russo Alexandr Nevsky organiza um exército popular que derrota a invasão dos cavaleiros teutônicos. Com trilha musical de Prokofiev, o filme foi cuidadosamente restaurado em 2015.

23/11 (quarta-feira) – SALA BNDES

19h – Noite de inverno em Gagra (Zimniy vecher v Gagrakh/1985)

Direção: Karen Shakhnazarov

Ex-famoso dançarino de sapateado leva uma vida discreta, mas sonha em repetir o sucesso dos anos 1950. A oportunidade virá quando o programa de TV “Nomes Esquecidos” informa, erroneamente, que ele morreu.

24/11 (quinta-feira) – SALA BNDES

19h – Arsenal

Direção: Aleksandr Dovzhenko (A??????/1929)

No segundo filme da trilogia silenciosa de Dovzhenko, que compreende Zvenigora, Arsenal e Terra, um veterano bolchevique da 1ª Guerra Mundial promove um levante dos operários da fábrica de armamentos Arsenal contra o governo burguês de Kiev.

21h – O Quadragésimo Primeiro (Sorok pervyy/1956)

Direção: Grigori Chukhray

Exímia atiradora do Exército Vermelho, com cartel de 40 inimigos abatidos, Maryutka se apaixona pelo prisioneiro sob sua escolta, o tenente Vadim Nikolaieich, do Exército Branco. Filme de estreia de Grigori Chukhray, baseado na obra de Boris Lavrenyov.

25/11 (sexta-feira) – SALA BNDES

19h – Um Acidente de Caça (Moy laskovyy i nezhnyy zver/1978)

Direção: Emil Loteanu

Adaptado da novela de Anton Chekhov, publicada como folhetim em 1884-85 e considerada precursora do romance policial psicológico, o filme penetra no vazio moral da aristocracia decadente ao narra o drama da jovem Olga, cobiçada por três homens de meia-idade.

21h – Cossacos de Kuban (Kubanskie kazaki/1949)

Direção: Ivan Pyryev

Nas estepes do rio Kuban, dois kolkhozes (cooperativas agrícolas) competem para ver quem consegue colher mais trigo. Realizado em cores, Cossacos do Kuban foi a maior produção musical do cinema soviético.

26/11 (sábado) – SALA BNDES

16h30 – Aleksandr Nevsky

18h30 – Boris Godunov (1986)

Direção: Serguey Bondarchuk

Bondarchuk estrela e dirige a tragédia escrita por Pushkin, ambientada nos anos 1598-1605, às vésperas da “era das perturbações”. O tema, também compartilhado pela ópera de Mussorgsky, é a ascensão e queda do czar Boris Godunov frente a um jovem monge que se faz passar pelo filho do czar Ivan IV, o Terrível.

21h – A Estrela (Zvezda/2002)

Direção: Nikolay Lebedev

O grupo especial do Exército Vermelho, conhecido como A Estrela, é enviado a uma missão de reconhecimento atrás das linhas inimigas, no verão de 1944. Refilmagem do romance homônimo de Emmaunuil Kazakevich, publicado em 1947, com sucesso instantâneo de público e crítica.

27/11 (domingo) – SALA BNDES

17h45 – O conto do czar Saltan (Skazka o tsare Saltane/1966)

Direção: Aleksandr Ptushko

Imortalizado na ópera de Rimsky-Korsakov, o poema de Aleksandr Pushkin sobre uma rainha traída pelas irmãs invejosas e exilada em uma ilha mágica com seu filho, recebe a adaptação do mestre dos efeitos especiais soviético, cujas animações se integram à realidade com rara inteligência e leveza.

20h – Solaris (Solyaris/1972)

Direção: Andrei Tarkovsky

Grande Prêmio do Júri e Prêmio da Crítica Internacional no Festival de Cannes de 1972, o filme é baseado na novela de Stanislaw Lem, que conta a história da investigação sobre um planeta dotado de inteligência capaz de penetrar no íntimo dos seres humanos e materializar clones de suas mais secretas lembranças.

Tendências: