As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Ya sé que estoy piantao…’

Luiz Carlos Merten

22 Dezembro 2014 | 09h49

BUENOS AIRES – Subi para pegar a mala, depois do café, mas não resisti a reabrir o computador para dar conta de uma notícia. Vi na capa de Clarín e La Nación que morreu Horácio Ferrer. O grande poeta dessa cidade, parceiro de Astor Piazzolla. Chiquilin de Bachín, Balada para Um Loco. ‘Ya sé que estoy piantao, piantao, piantao/No vés que va la luna rodando por Callao…’ E ontem à noite, na apresentação da Misa Criolla, não foi feita nenhuma menção ao fato. Teria ele morrido depois? Uruguaio de nascimento, portenho de coração e argentino naturalizado, Ferrer foi fundamental no processo de reinvenção do tango por Piazzolla. Grandes criações de Piazzolla independem de versos – o Adiós Nonino, por exemplo. Mas, quando o verso era necessário, Ferrer era insuperável. Amelita Baltar deu uma declaração. Disse que cantou tanto Ferrer que tem a impressão de que ele era sua voz. De novo estou viajando nas minhas lembranças.