As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Versátil, sempre surpreendendo

Luiz Carlos Merten

16 de março de 2014 | 20h46

Espero que Antônio Gonçalves Filho, que participava do fechamento de hoje do Caderno 2, tenha percebido. Fiz para a edição de amanhã a matéria sobre o pacote O Cinema de Mizoguchi. O lançamento da Versátil co0ntempla cinco filmes do grande diretor, distribuídos em três DVDs. Inclui um estudo crítico de Sérgio Alpendre. Revi o final de Amantes Crucificados e vi inteiro o único da seleção que não conhecia – Senhorita Oyu. Também assisti a parte do depoimento de Alpendre, bem apreciável. Falei tudo isso no texto e, após considerações gerais sobre a vida e obra de Mizoguchi – plano sequência, improvisação, origem como ator etc – -, dediquei pelo menos um parágrafo a cada um dos demais filmes.; Contos da Lua Vaga, Oharu, as Irmãs de Gion. Deveria ter parado por aí, mas não sei como nem porquê, mesmo falando de cinco filmes o tempo todo, listei seis e inclui A Imperatriz Yang Kwei Fei. Consigo explicar o ato falho para mim mesmo. Falei que a mulher, no cinema de Mizoguchi, é sempre vítima da cupidez dos homens, e tanto faz que seja imperatriz ou prostituta. No automático, incluí Yang Kwei Fei.Espero, sinceramente, que Antônio Gonçalves tenha percebido, ele que monitora como ninguém os lançamentos da Versátil. Feito o mea-culpa, quero acrescentar que O Cinema de Mizoguchi é só  um dos lançamentos do mês da distribuidora. A Versátil lança também Adeus, Meninos, de Louis Malle, um recordista de reprises na TV paga, e resgata dois outros clássicos norte-americanos que têm circulado menos. Sementes da Violência, de Richard Brooks, de 1955, paradigma dos dramas sociais sobre professores que põem nos eixos turmas de alunos baderneiros, e o western Juramento de Vingança, de Sam Peckinpah, de 1965, sobre os derrotados da Guerra Civil nos EUA. Blackboard Jungle, título original, foi pioneiro ao encarar a geração rock’n’roll, com direito a Bill Haley, Rock Around the Clock, na trilha e a presença de Sidney Poitier para incrementar o racismo (e a questão social). Todo mundo sabe, mas não custa lembrar que Poitier, um dos bad boys de Brooks, virou o professor de Ao Mestre com Carinho, de James Clavell, em 1968, o ano que não termina nunca. Quanto a Major Dundee, título original, Peckinpah viveu o inferno com seus produtores, de nada adiantando o apoio de Charlton Heston, que chegou a abrir mão de salário paras cobrir gastos adicionais do diretor. Como Dundee, Heston é a própria imagem da rudeza, em oposição ao oficial sulista de Richard Harris. Tyreen representa o Sul aristocrático. É galante com Senta Berger que, a propósito, é a imagem da beleza. Mesmo renegado pelo autor, que nunca aprovou a remontagem dos produtores, sempre achei Juramento de Vingança um dos mais belos westerns de Peckinpah. Nuncas me esqueço que o vi numa noite frisa der inverrnmo, daquelas de gelar a alma, no cine Presidente, em Porto. O Presidente abrigava no domingo de manhã o Programa Maurício Sobrinho – ele era Maurício Sirotsky Sobrinho, futuro dono da RBS -, nos vibrantes tempos do rádio. Vi Elis Regina, sim, e Agostinho dos Santos, Leni Everson, Nora Ney… Meu Deus! Paro, porque senão vou entrar numa fenda do tempo. Mal sabia eu que terminaria trabalhando no rádio, na Gaúcha, da RBS. Os filmes da Versátil deste mês estão demais, como vocês podem ver.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.