As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ty Hardin foi modelo (áspero) para DiCaprio no Tarantino

Luiz Carlos Merten

04 de outubro de 2019 | 22h03

Na edição de July/August 2019 de FilmComment – com Brad Pitt e Leonardo DiCaprio na capa -, há uma matéria de duas páginas intitulada Slow Death/Morte Lenta. Robert Hampton propõe um guia áspero à TV Land de Era Uma Vez… em Hollywood. Quem ilustra a matéria é Ty Hardin numa foto promocional de sua série Bronco, muito popular entre 1958 e 62. Bronco Layne era um antigo oficial confederado que, após a Guerra Civil, vagava pelo Velho Oeste. A cada episódio, encontrava uma daquelas figuras lendárias – Billy the Kid, Jesse James, Cole Younger, Belle Starr. Ty Hardin! O cara era bonito p’a ca… ramba. Pertencia à geração de jovens talentos que era representada por um dos mais infames agentes que já passaram por Hollywood. Henry Wilson instituiu o teste do sofá para seus garotos, que reuniam a nata dos belos da indústria – Rock Hudson, Tab Hunter, Troy Donahue, Rory Calhoun, John Saxon, Clint Walker e um grande etc. Há controvérsia se ele abusou/assediou todo mundo, mas o que se sabe é que era sórdido além de toda conta. Para proteger Rock Hudson, que seria alvo de uma revista sensacionalista, ele entregou a homossexualidade de outros clientes, como Tab Hunte, e ainda ofereceu de bandeja o período em que Rory Calhoun esteve na cadeia, e era um segredo de Polichinelo em Hollywood. Há evidências de que Ty Hardin não teria cedido a suas investidas. Segundo Robert Hampton, foi o modelo para o personagem de Leo DiCaprio no Tarantino. Hardin teve aquela trajetória – sucesso na TV, declínio, uma nova chance em Cinecittà (e nos spaghetti westerns). Talvez ele tivesse a chamada má estrela. Talvez tenha feito escolhas equivocadas. Ty Hardin foi convidado a fazer o Batman da TV, mas recusou – Adam West ficou com o papel. Peter Fonda, que morreu em agosto, disse que o papel do advogado a quem Dennis Hopper e ele dão carona em Sem Destino foi escrito para Ty e só quando ele recusou Jack Nicholson foi chamado às pressas. Nicholson estourou, fez história na Nova Hollywood. Não se pode trabalhar com hipóteses, mas teria a história sido diferente, se Ty tivesse feito o papel? Sei que, depois de ter lido – com atraso -, o texto da FilmComment, fiquei morrendo de vontade de rever o Tarantino.

Tendências: