As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tuio Becker

Luiz Carlos Merten

02 de maio de 2008 | 17h53

RECIFE – Encontrei aqui no Cine PE o Roger, de ‘Zero Hora’, e ontem mesmo lhe pedi notícias de meu amigo Tuio Becker, ex-crítico do jornal e que, nos últimos anos, vinha mergulhando no esquecimento provocado pelo Mal de Alzheimer. A mesma coisa, me disse o Roger. Hoje, no fim da manhã, ele chegou para mim, na sala de imprensa do festival, cheio de dedos e começou – ‘Sabe o nosso papo de ontem, sobre o Tuio?’ Intuí o pior. Meu amigo morreu, ontem à noite, em Porto Alegre. Tive de sair para um almoço do Cine PE, meio atordoado, confesso, e ainda tem este dente que não devia estar me doendo. Tuio Becker morreu! Imediatamente vieram-me lembranças. Tuio era de Santa Cruz, no Rio Grande do Sul, cidade de colonização alemã na qual nasceu meu pai. Os dois cursamos arquitetura – foi onde nos conhecemos, na Faculdade de Arquitetura da UFRGS – e o Tuio se formou arquiteto (eu larguei o curso), mas acho que nunca exerceu, porque a prioridade dele, como a minha, era o cinema e logo nos demos conta disso. Também compartilhamos o que foi meu primeiro emprego – ele já havia sido carteiro! -, no departamernto de audiovisual do Colégio Israelita-Brasileiro, criado pelo professor Ruy Carlos Ostermann. Preparávamos, Tuio e eu, material didático para utilização em sala de aula, sob a chefia do José Onofre. Naquela época, já era o início dos anos 70, viajávamos muito a Montevidéu para ver filmes proibidos no Brasil. Embora eles também estivessem sob uma ditadura, os uruguaios tinham mais cultura cinematográfica que os brasileiros e muitos filmes que a censura proibia aqui a gente via lá. ‘A Laranja Mecânica’, ‘Decameron’, ‘Estado de Sítio’… Nunca fomos de falar muito de grandes autores. Nosso amor comum era pelos pequenos grandes diretores – Riccardo Freda, Edward Ludwig, Joseph H. Lewis, Gordon Douglas. Muitas vezes, ainda na Faculdade de Arquitetura, saíamos para almoçar e íamos parar na minha casa, principalmente nos dias em que a Dona Cecília, minha mãe, preparava as melhores almôndegas do mundo. No caminho, comprávamos um garrafão de vinho, de dois litros, Sangue de Boi, e comíamos e bebíamos. Não sei como conseguimos sobreviver a tanto vinho ruim. Tuio morava numa pensão. Certa vez adoeceu e eu fui visitá-lo em casa. Não tinha nada para beber, mas havia aquele vidro de Biotônico Fontoura. Tomamos como se fosse vinho. Foi o pior porre da minha vida. Tenho muitas histórias sobre Tuio que quero contar. Já tentei – mas na hora de salvar, deu pane na sala de imprensa do Cine PE e eu perdi tudo. Vim a uma lan house aqui perto, em Boa Viagem, mas ela fecha daqui a pouco, às 6. Confesso que me baixou uma tristeza infinita. A gente envelhece, os amigos vão morrendo… Sempre tive a maior dó de que Tuio tenha sofrido de Alzheimer, afundando no esquecimento. Mais de uma vez fantasiei – será que em algum compartimento, lá no fundo do inconsciente dele, permaneciam as lembranças de cinema? Meu amigo morreu. Cara… ca!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: