As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Todas as mulheres

Luiz Carlos Merten

23 de janeiro de 2012 | 08h22

Embarco daqui a pouco, no fim da manhã, para Belo Horizonte, com destino final em Tiradentes, onde começou na sexta a mostra de cinema. Perdi a programação dos três primeiros dias e lamento duplamente ter perdido a homenagem a Selton Mello, a quem entrevistei ontem por telefone para a matéria de hoje do ‘Caderno 2’. Uma, por causa dele, e já sei que o Selton se emocionou ao ver a homenagem do Canal Brasil, todos os seus filmes (e papeis) em perspectiva, que lhe deram a sensação definitiva de que, como ator e diretor, ele tem, sim, uma obra. A outra, pela própria pré-estreia de ‘BIlli Pig’, de José Eduardo Belmonte, que estou louco para ver, na expectativa de que o filme, na trilha de ‘O Palhaço’, confirme a terceira via para o cinema brasileiro. Mas teria sido desgastante ir a Tiradentes na sexta e voltar no sábado, pois ontem tinha de estar aqui. A Lua organizou uma festa surpresa para sua mãe, Leila Reis. 60 anos! Comemoramos entre amigos, com direito a discursos – depoimentos sobre a figura maravilhosa que ela é – e muita música, com direito as shows da Lua, que canta cada vez melhor, e da Wanderléia cover, porque a Leila sempre teve aquela ligação com a Jovem Guarda. Por favor! Senhor juiz, pare agora! Não me lembro desde quando conheço a Leila, mas com certeza foi desde a primeira hora no ‘Caderno 2’ de José Onofre, aonde ela entrou para fazer a cobertura de TV. Leila editou depois o ‘Telejornal’, foi presidente da APCA, a Associação Paulista dos Críticos de Artes, e eu fui seu sucessor na entidade que agora vive uma crise, o que muito me dói. Os rolos na área de música erudita, o esvaziamento do cinemam, com cada vez menos gente aparecendo na votação, tudo isso me entristece. Mas não é o tema do post. É a Leila. Fui poético. Disse que deveria estar em Tiradentes, debatendo, e defendendo, o futuro do cinema de autor no País, mas por uma vez o cinema, sorry, teria de esperar. Tudo pela amizade. Leila não é Leila Diniz – é melhor que ela! –,. mas eu gostaria de recorrer a uma imagem de cinema. ‘Todas as mulheres do mundo’. Numa só. Guerreira, amiga, mãe, mulheraça. Leila é mineira, mas não foi à toa que colocou na filha o nome de Ana Terra. Num certo sentido, é a mineira mais gaúcha que conheço. Como as mulheres de Erico Verissimo, paga um boi para não entrar na luta e uma boiada para não sair, depois que ela começou. E a Leila segura a onda de todos os amigos. Não sei se a gente tem tido a mesma generosidade em relação a ela. Com a Leila, pode-se contar, sempre. Se eu tivesse a afinação da Lua, gostaria de ter cantado uma pérola de Tom Jobim, presente no documentário de Nelson Pereira dos Santos. Se todos fossem iguais a você/Que maravilha viver viver… Bem-vinda ao clube dos sexagenários, Leila. E, olha, love, sempre, is in the air. Agora, sim, posso ir para Tiradentes. Me aguarda, Aurora.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.