As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tinha de ser – Cidades Fantasmas!

Luiz Carlos Merten

29 Abril 2017 | 23h51

Ainda bem que redigi meu post anterior. Na cerimônia de premiação do 22.º Festival Internacional de Documentários, Amir Labaki referiu-se ao encontro de ontem, entre João Moreira Salles e Eduardo Escorel, como ‘histórico’. E foi. A boa novidade é que ele está disponibilizado, na íntegra, no site do É Tudo Verdade. Vejam! Não via muita alternativa para o júri da competição brasileira e, assim, não me surpreendeu nem um pouco que Cidades Fantasmas, de meu conterrâneo Tyrell Spencer, tenha vencido como melhor documentário nacional. Gostei muito de É Tudo Irrelevante, Hélio Jaguaribe, de Izabel Jaguaribe e Ernesto Baldan, mas não colocava fé de que pudesse ganhar, e estava certo. Na competição internacional vou ficar devendo o vitorioso – Comunhão, de Anna Zamecka -, mas assino embaixo da menção honrosa, que foi para O Show da Guerra, de Andreas Dalsgaard e Obaidan Zytoon. Também não vi o melhor documentário latino – Los Niños, de Maite Alberdi -, que passa de novo no domingo. Creía, para ficar no portunhol, que Perón, Mi Padre y Yo, de Blas Eloy Martinez, que vi hoje à tarde, fizesse parte da competição latina, e seria meu candidato, mas o filme concorria na internacional. Parei agora e fui procurar no catálogo. O filme de Eloy Martinez concorria nas duas competições, latina e internacional, como Cidades Fantasmas também concorria na latina e na brasileira. Trabalho amanhã, e tenho várias matérias na edição de segunda do Caderno 2, mas vou tentar ver os vencedores que me faltam. Me aguardem!