As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Socorro!

Luiz Carlos Merten

30 Janeiro 2017 | 23h35

Estou pasmo, mas só vou manifestar minha desconformidade, porque corro o risco de ainda ser chamado de antissemita. Mas que raio de aberração é esse Benjamin Netanyahu, congratulando-se com Donald Trump pela ideia ‘formidável’ de construir um muro na fronteira com o México? Já estive em Israel, fui à Faixa de Gaza e tive de ultrapassar todos aqueles dispositivos de segurança. Amo o Exodus de Otto Preminger, que talvez seja o mais belo filme sobre o embate entre o homem e a revolução, como ‘instituição’, mas o filme que, para mim, melhor define a situação no Oriente Médio é Kedma, de Amos Gitai, com aquele discurso do camponês árabe, espoliado de suas terras, que promete se opor a Israel para sempre. Vejam que o israelense legitima Trump e a ideia de um muro fica ‘formidável’, e isso menos de 30 anos depois da queda do Muro de Berlim e da derrocada da antiga URSS. Quer dizer que aquele muro era uma afronta à liberdade e esses são a própria afirmação da liberdade? Ficamos assim, então. Os mexicanos são os palestinos dos EUA e os palestinos são os mexicanos do Oriente Médio… E ainda tem gente que acha que o mundo melhorou. Só se for no c…!