As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Socorro!

Luiz Carlos Merten

03 de fevereiro de 2010 | 09h10

OURO PRETO – Havia dito ontem à noite que meu próximo post seria acrescentado de BH, mas não. Levantei-me cedo para fazer os filmes na TV de amanhã. Aproveitei e dei uma conferida nos e-mails e não estou conseguindo postar comentários como o da Xokita, sobre as indicações para o Oscar (e para o prêmio Framboesa). Apareceu para mim aqui uma mudança de formatação da qual não estava informado. Vamos ver do que se trata. Enquanto isso, Xokita e Paulo aguardem, por favor Aproveito para fazer uma retificação. Estava no banho quando me caiu a ficha. ‘Vivacious Ladyu’, Que Papai não Saiba, de George Stevens, com Ginger Rogers, não é com Cary Grant e sim, com James Stewart. Assisti ao filme, e também aos dois de Lubitsch a que me referi no texto, num ciclo sobre comédias românticas dos anos 1930 e 40, no Action Christine um pequeno cinema de arte da Rive Gauche que é um dos meus favoritos, quando estou em Paris. Tenho de agradecer ao meu trrabalho, que me tem permiotrido viajar tanto, conhecendo o Brasil o mundo e, principalmente, conhecendo gente, que é o que mais importa. Volto sábado a São Paulo – não, Xokita, não participo de nenhum evento em BH de hoje a sexta. Fico um pouquinho em São Paulo e, na terça, já embarco para Berlim. Embora deva ir a Londres para a junkett de ‘Alice’ – não entendo por que tenha de entrevistar Tim Burton e JOhnny Depp na capital inglesa, se ambos estarão na Berlinale -, espero passar mais dois ou três dias em Paris, onde Isabelle Huppert estreia em fevereiro ‘Um Bonde Chamado Desejo’, d’après Tennessee Williams.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.