As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Resnais!

Luiz Carlos Merten

19 de outubro de 2013 | 10h07

Fui ver ontem à tarde Providence. De cara, ao entrar na sala 1 do Arteplex fiquei maravilhado – lotadaça, numa sessão às 3 da tarde. Mas nunca vi uma plateia menos em sintonia. As legendas eletrônicas não ajudavam. Providence não é mais difícil que outros filmes de Alain Resnais, mas começa viajando entre realidade e imaginação, com os delírios de John Gielgud, que escreve seu novo livro e projeta nele as pessoas de sua vida (e família). Pelo visto, ninguém estava entendendo nada. Queriam realismo, e não era o que Resnais estava dando. Havia um infeliz que não entrou no espírito da coisa e resolveu manifestar sua inconformidade. Gemia, bocejava para todo o mundo ouvir e juro que deu até um peido, não sei se fedorento (mas aquilo não era barulho produzido por boca). O final, quando o filme volta para a realidade e temos o encontro em família, é o que acredito que seja o cinema. E aquele elenco – Gielgud, Dirk Bogarde, Ellen Burstyn, David Warner! Voltei correndo para a redação do Estado, e logo estava falando sobre música, a trilha de São Silvestre, com Lina Chamie. A trilha de Resnais – as trilhas de Resnais. Miklos Rosza é o autor da partitura de Providence. Sublime. À meia-noite estava de novo no cinema, no Augusta, para ver um filme que me desconcertou, de Paul Wright. Thiago Stivaletti havia falado maravilhas de Para Aqueles em Perigo. Foi a minha vez de olhar de ‘fora’, apesar de alguns belos momentos. Estou indo ver o filme de Joanna Lombardi, filha de Francisco, na sessão de imprensa, para falar com ela na sequência. ´Vou perder a primeira exibição de Miss Violence, o grego que Rodrigo Salem me jura ter sido o melhor filme de Veneza (o vencedor do Leão de Ouro, Sacro Gra, é que não foi). Vou hoje a Los Angeles, para um bate e volta – Harrison Ford em Enders Game. Espero que Miss Violence me espere até voltar, na terça.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: