As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Redford e Jane Fonda, homenageados em Veneza

Luiz Carlos Merten

22 de julho de 2017 | 10h48

Confesso que cheguei a pensar em ir ao Festival de Veneza. Ia me credenciar, mas fui deixando, deixando. A gente se arrepende do que não faz. A seleção acho que não saiu, mas li por aí que o festival vai homenagear Robert Redford e Jane Fonda. Eles eram jovens e belos quando fizeram Descalços no Parque, de Gene Saks, e, depois, quase na sequência, Caçada Humana, de Arthur Penn. Jane foi um ícone sexual com Roger Vadim nos anos 1960 e um ícone político nos 70. Hanói Jane! Redford imortalizou-se em dupla com Paul Newman – Butch Cassidy e Golpe de Mestre, ambos de George Roy Hill – e teve aquela parceria profícua com Sydney Pollack, incluindo o magnífico Jeremiah Johnson. Depois, Redford fundou no Utah o Sundance Institute e o Sundance Festival. Virou o patrono dos independentes. Virou ele próprio diretor, com direito a Oscar por Gente como a Gente, em 1980. Há 51 anos, em The Chase, Bubber Reeves fugia da cadeia e E.G. Marshall colocava sua cabeça a prêmio, com medo de que ele estivesse vindo atrás de seu filho, amante da mulher de Bubber. Redford, o fugitivo, Jane, a mulher. Embora amante do outro, ela tenta proteger o marido. O xerife Marlon Brando, também, mas é fim de semana, todo mundo bebeu demais, a promessa das recompensa acirra os ânimos, a caçada humana vira uma espécie de quermesse na cidadezinha do Texas. Diversão a qualquer preço. Só poderia dar m… Caçada Humana é um dos grandes filmes de Penn, e um dos que melhor expressam sua convicção de que, na ‘América’, as pessoas só conseguem resolver seus conflitos por meio da violência. A própria diplomacia norte-americana não é muito afeita ao diálogo. Porrete. Penn não tinha muito apreço por Caçada Humana. Não aceitava a remontagem feita pelo produtor Sam Spiegel, dos clássicos de David Lean. Mas me lembro que alguém já escreveu – nós, que não temos esse Caçada Humana ideal na cabeça, podemos apreciar o que existe e que, a despeito dos protestos do diretor, é imenso. Já imaginaram o que vai ser a coletiva de Robert Redford e Jane Fonda em Veneza? Jane, que filmou com George Cukor, Alan J. Pakula, Sydney Pollack, Otto Preminger, Jean-Luc Godard, Joseph Losey, Fred Zinnemann. Jane, que incendiou os campi dos EUA protestando contra a Guerra do Vietnã. Jane que, em plena guerra, desafiou o Departamento de Estado e foi conhecer (e dar voz) ao inimigo… Só isso já faz dessa edição do Festival de Veneza algo muito-muito especial.