As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Receita para salvar…

Luiz Carlos Merten

27 Maio 2018 | 18h29

Seu nome é Brooke Busey, mas foi com o pseudônimo de Diablo Cody que se tornou conhecida – e ganhou o Oscar de roteiro por Juno. É preciso ter visto o filme de Jason Reitman na Espanha, como eu. Ellen Page anuncia – ‘Estoy embarazada’, Estou grávida. É praticamente iumpossível explicar por que a frase virou uma das piadas da minha vida. Diablo escreve, Jason dirige de novo. Tully. Estou voltando para casa, depois de ver o filme no CineSala. Encontrei meu médico, Dr. Daniel. Ele achou que estou manejando bem a bengala. Tully é sobre um casal. Charlize Theron tem um casal de filhos, o garoto é especial. Está grávida, pronta para parir a qualquer momento o terceiro, que será a terceira. Quem aguenta tanto encargo? Charlize está à beira de um ataque. O irmão rico oferece uma babá noturna. Receita para salvar casamento, pelo menos até que a nanny também surte. As mulheres vão amar e os homens, também, posto que Diablo – que antes de ser escritora foi stripper – é chegada a liberar uma boa fantasia. A babá chama-se Tully e, surpresa, também é o nome do meio de Charlize, como descobrimos numa cena em que ela precisa de atendimento. No limite, a babá é uma ferramenta e o filme é sobre como o casal supera sua crise, afeto, coisa e tal. Difícil não gostar – do filme e de Charlize. Ela é perfilada por Rodrigo Salem na Serafina deste domingo. Charlize lembra como viu sua mãe matar o pai (em legítima defesa) e confessa que está decidida a voltar à maconha. O texto faz menção, en passant, aos filhos adotivos. Não conta que o menino é trans. Uma sensibilidade de menina no corpo de garoto. E já se tornou conhecida por uma mania. Li outro dia num jornal francês que pode ser transtorno. A menina ama a cor de rosa. Tudo tem de ser dessa cor. Charlize, como Angelina Jolie, virou guerreira na defesa do seu menino/menina de ser diferente. Diz uma coisa linda para Rodrigo, que, de alguma forma, remete ao discurso no final de Me Chame pelo Seu Nome. ‘A vida não é um ensaio. Só temos uma chance e não quero chegar aos 80, no meu leito de morte, pensando que gostaria de ter sido eu mesma durante a minha vida.’ Tully não deixa de ser sobre isso. Mais que uma receita para salvar casamento, é uma receita para se salvar. As pessoas são do bem. Ninguém está disposto a se salvar a qualquer preço, f… os outros. Achei bem bonito. Mais uma boa parceria de Jason Reitman e Diablo Cody, que, a propósito, são casados só nos créditos dos filmes.