Realidade/metáfora
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Realidade/metáfora

Luiz Carlos Merten

28 Janeiro 2014 | 17h27

TIRADENTES – Disse no post anterior que não mudava nada minha admiração pelo filme de Cristiano Burlan o fato de o diretor, em Amador, não ser o próprio Burlan,. mas um ator. Mas Eduardo Valente veio me corrigir o equívoco e, obviamente, não é a mesma coisa o diretor que chora em Passarinho Lá de Nova Iorque e o ator, mesmo sendo o alter-ego do diretor, que também chora em Amador. A realidade e a metáfora não são a mesma coisa, mesmo que a segunda seja, com frequência, uma ferramenta do artista para decifrar/entender, a primeira. Nessa correria de Tiradentes – filmes, debates, textos para o jornal e o blog -, ainda encontrei tempo para entrevistar, por telefone, a diretora de A Fita Azul, Rebecca Thomas. Achei o filme simpático – uma garota mórmon que acredita ter sido engravidada pela voz do roqueiro na fita do título -, de certa forma são vários filmes em um, com vários focos e mudanças de tom, Conversei com Rebecca sobre isso e achei-a bem interessante. E, aleluia!, por uma vez encontro uma diretora que não se interessa pelo Oscar e que também não reza pela cartilha de que a TV dos EUA é onde está, hoje, a criatividade. Rebecca deixa subentendido que, para ela, O Lobo de Wall Street e Trapaça são a mesma m… Acho que o primeiro ainda é pior. Não creio que meu ideal de cinema seja ver o Jonah Hill tirar o p… pra fora e se masturbar na festa. Está para nascer quem vai me convencer de que aquilo é uma crítica contundente de Scorsese. A mulher bate no Jonah, a mulher de DiCaprio também bate nele. É o que esses bons companheiros merecem, sorry se agora eu parecer excessivo. De volta a Rebecca, seu negócio é cinema – ‘Podem me convidar para fazer coisas na TV; vou continuar lutando para desenvolver meus projetos no cinema.’ É curioso como, em cinematografias tão diversas quanto a norteamericana e a brasileira, o espaço da criação, apesar dos outros fazeres, não difere tanto. A luta por expressão autoral é a mesma. E lá envolve muito mais dólares, o que significa que a pressão pode ser – é? – muito maior.

Mais conteúdo sobre:

Mostra de Cinema de Tiradentes