As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Que tipo de história precisamos?

Luiz Carlos Merten

31 Março 2017 | 10h48

Ando chateado porque, com a quantidade de lançamentos que se repetem a cada quinta-feira – e sempre tem os filmes pop que levam vantagem, mas eu confesso que gostei meia boca de Kong (algumas coisas), decididamente não gostei de A Bela e a Fera nem de Logan, e gostei muito (aleluia!) de A Vigilante do Amanhã -, não tenho conseguido emplacar matérias de filmes que estão esperando espaço. Demorei para publicar os textos sobre Os Cowboys e Jonas e o Circo sem Lona. Travessia ainda está na lista de espera, e eu gosto da arquitetura (dramática e não apenas) do filme de João Gabriel, que me revelou uma Salvador bem interessante. Também espera O Ornitólogo, que me rendeu uma entrevista muito boa com João Pedro Rodrigues, de Bogotá, onde ele ministrava um curso na faculdade de cinema. Ontem, quinta, tive um dia bem corrido. Filme pela manhã, à tarde – O Poderoso Chefinho, e o texto está no Caderno 2 de hoje – e, no entardecer, entrevistas com Beto Brant, Antônio Pitanga e Camila, pelo Pitanga, que estreia na próxima quinta, 6. Amo o filme e podem ter certeza de que, se votasse na Abraccine, Pitanga estaria nas cabeças dos 100 melhores documentários do cinema brasileiro, listados pela associação, deixando muito (Eduardo) Coutinho para trás. Estou aqui com a Total Film de março. Na capa, Emma Watson. “We need stories like this more than ever”, Precisamos de histórias como essa mais que nunca. Emma não está falando de Era o Hotel Cambridge, o longa de Eliane Caffé de cuja existência não deve nem suspeitar. Fala, claro, de A Bela e a Fera. Não gostei justamente dela, que me pareceu tão sem graça no filme de Bill Condon, mas a revista crava – “Darker. Smarter… Relevant”, Mais sombrio, mais inteligente e relevante. A Bela e a Fera bateu recordes nos cinemas brasileiros. Logan, idem. Recebi um e-mail dizendo que o filme do X-Man já bateu 6 milhões de espectadores e só no primeiro fim de semana fez 1.8 milhão de público pagante, superando Deadpool, que fez 1.7 (milhão). Deadpool tem certa graça, admito, mas Logan… O filme de Wolverine que você sempre esperou, vi a propaganda proclamar e alguns coleguinhas dizerem amém, sem nenhum senso crítico. Eu fora. Só falta agora, para entrar em crise, Ghost in the Shell ser um fracasso. Dado o estado do mundo – tem gente pedindo a volta dos militares (e hoje é 31 de março, horror!) ou lançando o Dória para presidente (como?) -, não duvido de mais nada.