As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pobre fdp!

Luiz Carlos Merten

24 de julho de 2010 | 09h16

Estava agora zapeando na TV paga, depois de passear com a Angel – levei a buldogue de minha filha para fazer xixi; Lúcia está em Buenos Aires; a propósito, ela inscreveu a Angel num concurso de fotos de cachorros em férias; a foto foi selecionada, ficou entre as 20 finalistas e vocês podem podem votar, o problema é que é no Facebook, procurem por Lúcia Merten e ela fornece o link (acho). Pois bem, zapeava quando entrou o trailer de ‘Os Mercenários’, próximo lançamento da Califórnia, em 13 de agosto. Vai ser difícil a distribuidora conseguir emplacar o novo Stallone. O cara está em queda livre e nem eu, que curto ação, tenho mais paciência com seus ‘Rockys’ e ‘Rambos’ – e a verdade é que nunca curti muito as duas séries, exceto o primeiro Rambo, ‘Programado para Matar’, de Ted Kotcheff, que era muito bom. Depois, Stallone mudou o conceito do personagem e virou aquilo. Mas a coisa tem piorado, falo de Stallone, e antecipo uma jihad, guerra santa, contra o gringo. Na Comi-Com, Stallone, querendo fazer gracinha, esculhambou o Brasil, onde rodou ‘Os Mercenários’. Disse que aqui é a terra do obrigado, você pode cagar em cima e as pessoas agradecem, e ainda oferecem um macaco – foi isso mesmo que disse? Pobre fdp, como lascaria Scott Fitzgerald (ou como lascou, sobre Jay Gatsby). Pressinto que Stallone vai ter o troco, aguardem, isso se não se explicar antes nas páginas amarelas da ‘Veja’. Confesso que não acompanhei a filmagem no Rio nem li notinhas na imprensa. É uma refilmagem do velho ‘Mercenários’ de Jack Cardiff, com Rod Taylor e Yvette Mimieux, não? Até tentei visitar o set, mas estava fechado. Meu interesse era bastante localizado. Obrigado, Mr. Stallone, mas gostaria de ter entrevistado Jason Statham, o maior astro de ação da atualidade. Aguardemos pelos ‘Mercenários’. São um monte de gente ‘fina’ que chega para… Maravilhar? Duvido, mas aguardemos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.