As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pela metade…

Luiz Carlos Merten

09 de abril de 2009 | 13h44

PORTO ALEGRE – Pela procedência, vocês já sabem onde estou. Em Porto, um dia de muito sol, calor. Vim pelo feriado de Páscoa, fico o fim de semana. Fui ontem à noite ao CineSesc para a abertura da mostra Melhores do Ano, que oferece aos cinéfilos a chance de rever os destaques do ano passado. É a 35ª edição do evento, que começou sob a ditadura. Um doumentário especialmente produzido para ontem contou suas origens e como a mostra Melhores do CineSesc rapidamente se converteu num instrumento de combate à censura. Quando cinemas ‘especiais’ foram liberados para exibir filmes ‘de arte’, ou políticos, a sala da Augusta, que já existia, ganhou em peso e importância e lá está até hoje. Vocês já devem saber os premiados – ‘Linha de Passe’, ‘Estômago’, João Miguel, Leandra Leal (‘Nome Próprio’), Sandra Corvelone etc. Passei perla sala para abraçar Matheus Nachtergaele, que mostrava em pré-estréia ‘A Festa da Menina Morta’ e Matheus está feliz da vida porque o filme finalmente entra em cartaz em 12 de junho, um ano e um mês após sua revelação internacional em Cannes. Minha primeira sensação diante da festa foi de ‘estranhamento’. Achei que não tinha gostado do filme, mas depóis o revi muitas vezes e fui gostando cada vez mais. Belo filme, corajoso, intenso. Encontrei também Daniela Thomas, que co-dirige (com Walter Salles) ‘Linha de Passe’, que a APCA considerou o melhor filme brasileiro de 2008, dividido com ‘Serras da Desordem’, de Andrea Tonacci. A festa da APÇCA será dia 27, lamentavelmente na mesma noite de inauguração do Festival do Recife, o Cine PE. O que faço, para onde vou? Daniela ia co-dirigir o filme de estreia de Felipe Hirsch, rodado em Brasília, sobre o qual tenho ouvido referências ótimas. Não conheço ninguém que tenha visto o filme, somente promos, mas quem trabalhou põe a maior fé no projeto. Tomara que se concretize. De volta a Daniela, faltando quatro dias para o início da filmagem, ela teve um piripaqui – nunca escrevi a palavra, é assim? – e teve de abandonar a produção, mas sua contribuição havia sido tão grande que parece que vai ganhar um crédito: um filme (qual é o título?) de Daniela Thomas e Filipe Hirsch, realizado por Felipe Hirsch. Perguntei pelo irmão, Antônio Pinto, e Daniela me disse que ele acaba de fazer a música do novo filme da diretora de ‘A Encantadora de Baleias’. De novo não sei o título, nem o nome dela. Eta, postezinho pela metade, mas eu valido assim mesmo porque sei que vocês adoram pesquisar para coimpletar as informações que me faltam.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: