As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Passou!

Luiz Carlos Merten

01 Janeiro 2017 | 13h12

Meu primeiro post de 2017! Cá estamos para mais um ano, menos um ano, como diria Mário Peixoto. Espero que o réveillon de vocês tenha sido bom. Passei o meu vendo o Show da Virada, na Globo. Meu ouvido nunca se entupiu tanto de m… Não moraria no Brasil se não soubesse quem é Luan Santana, mas nunca havia ouvido uma música do cara. Ele cantou cinco ou seis versões da mesma música – eram a mesma música -, todas representativas da velha dor de corno, ‘você preferiu um tal de Fernando na fila do banco, mas quando estiver viúva, velhinha, gagá, vai se lembrar de mim e eu estarei esperando…’ Sai o Luan, com seu tipo cafajeste soft – as garotas todaa ficam loucas por ele – e entra uma Marília não sei o quê, gordinha sexy, mais atirada – ‘Porteiro, esse cara foi infiel, dei um pontapé, nunca mais deixa ele entrar.’ Seguiram-se Ivete (Sangalo), Maiara e Maiane, alguma coisa assim, Thiaguinho, Henrique e Juliano, Anitta. Boa parte dessa gente nem sabia que existia – as Ms todas, H e J… Sabia que existia uma Anitta, mas também nunca tinha ouvido. Podia ter passado sem. A atirada número 2. Bonitinha mas ordinária – estou falando da artista. Se o Show da Virada escolheu cantores e cantoras que representam o Brasil, está explicado. Não foi à toa que tivemos tudo o que ocorreu em 2016, do impeachment da Dilma comandado por Eduardo Cunha à posse do Drácula e ao ‘vão se f…’ do Renan Calheiros para o Supremo. Nenhum ensaio sociológico explica melhor o mundo em que estamos vivendo que essa vulgaridade triunfante, e que faz questão de se exibir como tal. E pensar que o Nobel de Literatura de 2016 foi para um cantor e compositor, Bob Dylan! Desse mal não morreremos. Já a Framboesa de Ouro… Enfim, passou – a meia-noite. A propósito, o correspondente da Globo ironizou a gafe do prefeito de Nova York, perguntando-se que gente é essa que fica horas se espremendo em pé, à espera de alguns segundos – a contagem regressiva -, só para dizer que estava em Times Square. Achei o tal prefeito muito sábio, mas obviamente ele não vai mais se candidatar e está se lixando para os eleitores. Daqui a pouco tenho de ir para o jornal. Na quinta, 5, vou para o Rio e, depois, Buenos Aires e Mar Del Plata – em férias. Dia 22 estarei de volta em Tiradentes, para a Mostra Aurora. E logo em seguida, em fevereiro, Berlim, com a tradicional passagem por Paris, acho que antes, porque depois tem… Carnaval! E nisso tudo ainda se encaixam o Globo de Ouro e o Oscar. Um começo de ano bem movimentado.