As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os 25 mais do IMDb incluem cinco (cinco!) do Nolan

Luiz Carlos Merten

27 Outubro 2015 | 11h29

Há dias penso em acrescentar este post. Fazia sei lá que pesquisa para filmes na TV – elenco, duração de algum filme que queria colocar em destaque -, quando topei com uma lista do IMDb/Internet Movie Database. Os 25 maiores filmes dos últimos 25 anos. Começa com um de Martin Scorsese, Os Bons Companheiros, e termina com um de Christopher Nolan, Interestelar. Scorsese está bem na parada e tem mais dois filmes bem posicionados no ranking. São três no total – Goodfellas, Os Infiltrados e O Lobo de Wal Street. Gosto só do primeiro, vocês sabem. Infiltrados é OK, chupado do Andy Lau, mas o Lobo…. Peter Jackson também tem três, a íntegra da trilogia O Senhor dos Anéis – A Sociedade do Anel, As Duas Torres, O Retorno do Rei. Quentin Tarantino é outro com três – Cães de Aluguel, Bastardos Inglórios e Django Livre. Sei lá por qual sortilégio, o maior e mais influente filme de Tarantino ficou de fora, Pulp Fiction – Tempo de Violência. David Fincher entra com dois na lista – Seven e Clube da Luta. Steven Spielberg também com dois – A Lista de Schindler e O Resgate do Soldado Ryan. Spielberg fez os maiores filmes sobre o 11 de Setembro, a trilogia informal formada por O Terminal, Guerra dos Mundos e Munique, que o IMDb ignora. Desculpem minha ignorância, mas o site só pode ser norte-americano, não? Vê o cinema do ângulo de Hollywood. Apenas dois filmes ‘estrangeiros’ (europeus) entraram na lista. O cinema do mundo não interessa, exceto A Vida É Bela, de Roberto Benigni, que derrotou Central do Brasil no Oscar, e Intocáveis, da dupla francesa Nakache/Toledano. Estão na lista – O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme, Um Sonho de Liberdade, de Frank Darabont, Fargo, dos irmãos Coen, Brilho Eterno de Uma Mente sem Lembranças, de Michel Gondry (com roteiro de Philip Kaufman) e Na Natureza Selvagem, de Sean Penn, que em lista minha não entrava, de jeito nenhum. O recordista – o maior cineasta (autor?) dos últimos 25 anos -, pelo número de filmes na relação, é Nolan. Tem cinco – Amnésia, Batman Begins, Batman Cavaleiro das Trevas, A Origem e Interestelar. Por menos que a lista me satisfaça (onde estão os asiáticos, brasileiros, dinamarqueses?), gosto do reconhecimento a Christopher Nolan. É um gênio. Fazer cinema autoral, subsidiado, que ninguém, ou pouca gente vai ver, é fácil, por mais que, eventualmente, seja interessante e até apaixonante. Usar a máquina de Hollywood e fazer filmes autorais caros, e que explodem no mercado, como ele, é que é. São filmes que abordam questões políticas e existenciais profundas. Só falta a Academia e alguns coleguinhas perceberem isso.