As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O Preço de Um Prazer!

Luiz Carlos Merten

25 Maio 2018 | 13h40

De volta para casa. Cheguei! Estou em choque. Como vivo fora das redes, o que me mantém informado é o velho jornalismo, ao qual pertenço. O impresso. Durante quase 20 dias, confesso que me supreendia a ausência de noticiário sobre o Brasil na imprensafrancesa. Mentira – ao chegar, o festival começou dia 8 e eu estava em Cannes no 7, havia informações diárias sobre o incêndio e a implosão do prédio no Centro de São Paulo. Quando esse noticiário sumiu, foi-se junto o Brasil. Cheguei aqui nessa crise monstruosa. Os caminhoneiros paralisaram o País, f… velhas alianças. O governo está perdido, proclama Celso Ming na capa do Estado desta sexta, e a solução é o Exército na rua. O horror, o horror. Com a perna inflamada, não consegui iniciar a fisioterapia. Marco, o fisio, partiu literalmente para o tratamento de choque – elétrico. Meia hora de choque elétrico e agora gelo, gelo, gelo. Vamos ver se a inflamação recua e volto amanhã aos exercícios da fisio. Não contei que vi o Robert Mulligan, Love with the Proper Stranger. Une Certaine Rencontre, Um Certo Encontro. Natalie Wood vai comunicar ao músico de jazz Steve McQueen que está grávida. Congratulations! Mas isso é antes de ele se dar conta de que é o pai. A aventura de uma noite. Natalie quer indicação de um médico para abortar. Em 1963, o tema era tabu em Hollywood. McQueen, talvez para surpresa dele mesmo, revela-se o mais íntegro dos homens e a acompanha no processo. Fala até em casamento com os brutamontes irmãos dela. Neorrealismo à nova-iorquina, com uma nota de fantasia. Teria de pesquisar se foi na Film Comment ou na Sight and Sought. Love with the Proper Strtanger, O Preço de Um Prazer no Brasil, era um filme perdido de Mulligan. Gosto muito dele, que deve sua reputação basicamente à adaptação do livro cult de Harper Lee, To Kill a Mockingbird. Mas eu, a O Sol É para Todos (título brasileiro), prefiro suas incursões pelo cinema de gênero. O western A Noite da Emboscada, o romântico Era Uma Vez Um Verão/Verão de 42 e o perturbador A Inocente Face do Terror. Havia encontrado, numa das revistas citadas, uma referência ao filme de Mulligan, que estava sendo tirado do limbo. Ao chegar em Paris, descobri que estava voltando aos cinemas, em versão restaurada pela Carlotta, que, na sequência, lança o DVD. Espero que, no Brasil também, O Preço de Um Prazer volte a circular. É belíssimo. E o par central… Natalie e McQueen, se não tivessem existido, teriam de ter sido inventados.