As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O Hobbit

Luiz Carlos Merten

14 Dezembro 2014 | 11h28

Escrevi um monte de matérias sobre O Hobbit – A Batalha dos Cinco Exércitos para o jornal – o impresso e o online -, falei na rádio Estadão, mas não sei se ficou claro o que vou dizer agora. Entendo que o fato do novo Peter Jackson estar estreando em mais de mil salas – embora menos que as mais de 1300 de Jogos Vorazes – possa provocar reações contrárias, ‘nacionalistas’ – em defesa do cinema nacional -, mas não a ponto de impedir uma avaliação estética do filme. Exibidores e distribuidores vão se defender, dizendo quer o megacircuito de A Esperança – Parte 1 foi uma demanda do público, mas não há termo possível de comparação. Jogos Vorazes A Esperança – Parte 1 pode até ser, e é, o melhor (menos ruim?) da franquia, mas é descartável a ponto de eu, a essa altura, já estar me perguntando sobre certos incidentes que já esqueci. O Hobbit é outro compartimento. Peter Jackson conseguiu, de novo. A nova trilogia conta uma história que antecede a de O Senhor dos Anéis. O Hobbit foi sempre aclamado como livro de fantasia infantojuvenil. Por tê-lo feito depois, como prólogo para o seu Lord of the Rings, Jackson quis manter o tom e aí a fantasia não é mais (tão) infantil. Uma Jornada Inesperada era bom, mas por ser o primeiro de uma nova saga tinha de apresentar os personagens, a situação.  Isso tomava tempo. A Desolação de Smaug, o 2, já era muito melhor. E A Batalha dispara – é maravilhoso. Não creio que vá colocar o filme entre meus dez mais do ano. Hesito entre Jackson e David Fincher, mas não tenho dúvidas de que a derradeira troca de olhares entre Tauriel e Kili, entre a elfa e o anão, é o mais belo momento de cinema que vi em 2014. Tragédia pura. Da mesma intensidade, só o reencontro de Jesuíta Barbosa e Wagner Moura na saída daquele elevador, em Praia do Futuro, de Karin Ainouz, meu melhor filme do ano. Amanhã tenho a junkett de Loucas para Casar, na quinta pela manhã embarco para Buenos Aires. Tenho 1001 matérias, entrevistas para fazer. Não sei se terei tempo para rever agora A Batalha dos Cinco Exércitos. Mas não existe coisa que queira mais, atualmente.