As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ó céus!

Luiz Carlos Merten

04 de junho de 2016 | 10h26

Não tenho conseguido dar conta do que ando vendo, e pensando. Foi uma semana de muitos filmes, matérias, entrevistas. Dib Carneiro me mostrou o post de Vilmar Ledesma, amigo querido, sobre a (ex?) presidente Dilma e Camila Márdila, a filha da doméstica de Que Horas Ela Volta?, na UnB. Achei lindo! O presidente em exercício, Temer – tenho visto uns pares gays portando umas camisetas ‘Amar sem Temer’, obviamente de duplo sentido -, criou uma lei de trânsito e o Ministério da Transparência e eu só me pergunto o que José Simão andará dizendo disso? Dois ministros já caíram, deve ser o efeito borboleta. E, outro dia, fazendo uma pesquisa para lembrar o título do filme (Um Homem Só) que deu a Mariana Ximenes o Kikito de melhor atriz, topei com uma crítica sobre Uma Loucura de Mulher, também com ela, que estreou na quinta, 2. O coleguinha, feminista inflamado, manifesta sua indignação contra o estereótipo feminino – as mulheres de Brasília são loucas no filme – e diz que assim não dá. Na mesma noite, zapeio na TV e vejo o surto de uma senadora num comitê do Congresso. “Sou senadora da República e exijo respeito, não sou louca!” E eu que3 não sabia que o filme de Marcus Ligocki é uma comédia realista… É, realmente, o País (com maiúscula!) da piada pronta.

Tendências: