As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Noite de reis

Luiz Carlos Merten

29 de julho de 2019 | 00h41

Não, não é bem Shakespeare. Estou chegando em casa agora, depois de assistir a mais dois filmes do Festival Latino – o uruguaio Pornô para Iniciantes, de Carlos Ameglio, e o brasileiro (mineiro) No Coração do Mundo, produção da Filmes de Plástico, com direção de Gabriel e Maurílio Martins. Como curador, e não apenas, Francisdcol César Filho, o Chiquinho, fica muito feliz quando elogio o festival. Foi tão difícil, com um orçamento pífio, fazer o deste ano. Gostei muito (do segundo) e amanhã entrevisto a trupe toda, incluindo a atriz Grace Passô, porque No Coração estreia na quinta, 1º. Na sequência, fomos jantar Orlando Margarido e eu, e ele me arrastou para o Sancho, na Augusta, onde encontramos Eduardo Tolentino e André Garolli. Terminou sendo um domingo teatral/cinematográfico, como tive tantos na minha vida, em anos anteriores. Ambos estavam siderados com a celebração da vida de Elsa (a montagem teatral) e um tanto bagunçados (no melhor sentido) com a representação da morte de O Professor Substituto, outro filme francês, muito bom, atualmente em cartaz. Adoro conversar com esses grandes diretores – Gabriel (Villela), Tolentino. São sempre certeiros. Tolentino queria saber de Bacurau, e como eu ele também prefere Aquarius a O Som ao Redor, fazendo uma observação brilhante sobre o longa anterior de Kleber Mendonça Filho – Ibsen! O Inimigo do Povo. Só alguém de finíssima erudição para sacar isso. Conversa vai, conversa vem, surgiu o nome de Corin Redgrave, o que nos levou às irmãs, Vanessa e Lynn, que Tolentino, em algum momento, viu numa montagem visceral de As Três Irmãs. Como não sou referências de séries, aproveito para repassar o que me disse o Eduardo – viu, ou está vendo Years and Years, no qual afirma que Emma Thompson está simplesmente extraordinária. Estou indo dormir leve a solto, mas antes preciso acrescentar outro post – o próximo.