As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ninguém merece O Sétimo Filho

Luiz Carlos Merten

05 Março 2015 | 23h41

Tenho grande respeito e admiração por Julianne Moore, mas talvez nem soubesse direito porque me desinteressei dela no Oscar, mesmo sabendo que ia ganhar. Cheguei a postar que meu entusiasmo por Eddie Redmayne – imbatível por A Teoria de Tudo – também diminuiu muito depois que o vi na fantasia dos Irmãos Wachowski, Destino de Júpiter. Ninguém pode ser ao mesmo o melhor e o pior ator do ano. Bem – Redmayne foi. Julianne Moore quase, também. Já havia dito que, por melhor que ela esteja como a mulher que sofre de Alzheimer em Para Sempre Alice, eu daria meu voto para Marion Cotillard, pelo filme dos Irmãos Dardenne, Dois Dias e Uma Noite. E hoje finalmente descobri meus motivos (premonitórios). Vi a fantasia que o russo Sergei Budrov realizou em Hollywood. Ninguém merece O Sétimo Filho. Vocês talvez não acreditem, mas é pior que os Wachowski. Aquele podia ser ruim, mas era um ato de coragem dos irmãos, que conseguiram convencer a indústria a pagar-lhes um monumento caríssimo para que eles seguissem falando da opção (de sexo e identidade) de Larry, hoje Lana. O Sétimo Filho baseia-se numa série de livros. Jeff Bridges combate bruxa que quer inaugurar a era das trevas. Julianne é quem faz o papel. Ele precisa da ajuda do sétimo filho para quebrar a magia dela. É uma vergonha que, no ano do seu Oscar, Julianne, quase sempre tão boa, tenha vindo nos mostrar que também pode ser não ruim, mas péssima. Mas Jeff Bridges não tem perdão. Vocês sabem que ele não me é muito simpático. Até gostava do cara, lá no começo, mas depois Bridges resolveu encarnar (com Nick Nolte) uma espécie de consciência do cinemão. Nas entrevistas de Bravura Indômita, em Berlim, tive de ficar ouvindo aquele jumento cagar regra em Hollywood, falando de novo mal de Elia Kazan e desqualificando o western original do grande Henry Hathaway com John Wayne como se fosse lixo, e tudo isso para colocar os Coen no panteão que acho que não merecem. Jeff Bridges inventou uma voz de Papai Noel para seu personagem de O Sétimo Filho, um horror. Eddie Redmayne pode ficar sossegado. Ele não vai receber a Framboesa do ano. Jeff Bridges já se amarrou nela e promete não largar até dezembro. Li na entrevista dele no Caderno 2 que não gosta de se repetir. Bom, que pelo menos escolha melhor no que vai ‘ousar’, da próxima vez.