As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Neve!

Luiz Carlos Merten

05 de fevereiro de 2012 | 08h50

PARIS – OOOiiii! Cá estou eu de novo nesta cidade maravilhosa. Nos últimos 20 anos, tenho estado aqui regularmente duas ou três vezes por ano, sempre aproveitando as idas e vindas do trabalho. Agora mesmo, vim antes para ficar lguns dias, só usando a passagem, porque meu destino é Berlim, na quarta feira. Na quinta, começa o festival. Cheguei na sexta e estava um frio do cão. Tinha matérias e passei boa parte do dia – manhã e tarde – correndo em função delas. Mas, no final da tarde, veio a recompensa. A Filmoteca do Quartier Latin apresenta um ciclo Cinema e Literatura. Justamente na sexta, às 18h20, houve a apresentação ‘Nathalie Granger’, de Marguerite Duras, e a sessão teve direito a Irène Jacob – sim! – lendo trechos dos ‘Écrits’ da autora. Irène Jacob! Viajei nas lembranças. Lembrei-me de meu amigo Walter Hugo Khouri e de como ele amou ‘A Dupla Vida de Véronique’, como achava Krysztof Kieslowski um gênio e como Irène virou um sonho para ele. Ah, se Khouri tivesse tido a chance de filmar com a atriz francesa. Encontrei-a algumas vezes. Em Cannes, em Paris, no Rio. Ela tem um jeito de olhar para as pessoas e sorrir que dão a impressão de que se importa com a gente. Na sexta,. foi meu único programa de cinema. Chega, não? Ontem, comecei meu diaem Notre Dame e depois fui ver ‘Sur la Planche’, da marroquina Leila Kilane, que deixou toda a crítica daqui louca. ‘Cahiers’, ‘Positif’, ‘Transfuge’… Belo filme. Depois, com tantas novidades para ver, terminei revendo, por uma questão de horário e local, um Paalo Sorrentino que nem é o meu favorito do grande autor italiano, mas Sorrentino e Toni Servillo, como resistir a ‘Un Uomo in Più’? Na sequência, resolvi fazer um programa duplo sobre a elefantíase do sexo. ‘O Que É Que Há, Gatinha’, de Clive Donner, em cópia nova, que pretendia emendar com ‘Shame’, de Steve McQueen. Num certo sentido, ‘Pussy Cat’ é horrível como cinema, ou quase, mas poucos filmes expressam tanto as mudanças comportasmrentais dos anos 1960. E, também, só louco para não se divertir com Peter Sellers, Peter O’Toole e o jovem Woody Allen, mais aquelas mulheres lindas. Ursula Andress, Paula Prentiss (não me lembrava como ela foi bonita)… Saí do cinema correndo para ver o Michael Fassbender, mas o frio me venceu. Estava demais. Terminei entrando num restaurante para comer ( e tomar um vinhozinho, porque ninguém é de ferro). Deixei o ‘Shame’ para hoje. Deve ter nevado muito à noite. Estou olhando da janela do hotel. Tudo nevado lá fora. A rua, os carros… Comprei várias revistas de crítica, não só de cinema, mas ‘Cahiers’, que já havia avalizado ‘As Aventuras de Tintim’ – e eu tolo não entendia porque alguns coleguinhas haviam ‘gostado’ do filme -, dá sua capa de fevereiro a Steven Spielberg e, sim claro, eles gostaram de ‘O Cavalo da Guerra’ (mais do que de ‘O Cavalo de Turim’, de Bela Tárr, o suprassumo docinema de autor…). Dei-me ao trabalho de ler pelo menos um dos textos de ‘Cahiers’ sobre Spielberg. A revista concorda comigo que não é possível mais ignorar o diretor norte-americano, mas eles situam o tournant da carreiora de Spielberg em ‘A.I., Inteligência Artificial’, lembrando que foi Stanley Kubrick quem escolheu Steven para dirigir o projeto que era seu. O meu tournant foi em ‘O Terminal’, mas entendo perfeitamente porque ‘Cahiers’ considera ‘Guerra dos Mundos’ um dos filmes faróis da última década e peça essencial para entender/discutir o cinema d Hollyw0od pós-11 de Setembro. Ridículo! Lembrando a data, no Brasil ficaram só punhetando (desculpem…) em cima do Michael Moore, quando é óbvio que a trilogia informal de Steven – ‘O Terminal’, ‘Guerra dos Mundos’ e ‘Munique’ – é o básicopara se entender a década que mudou o mundo. Não me lembro quem entrou aqui no blog para chamar de infantilóide a relação do garoto com o cavalo (da guerra). Não é, meu amigo. Vai lá, vê de novo. Eu tenho tanta coisa para tentar ver hoje. Depois eu conto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: