As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Não foi 100%, mas…

Luiz Carlos Merten

03 de março de 2014 | 02h35

Posso não ter gostado 100% da divisão entre filme e direção no Oscar 2014, para os melhores de 2013. Mas acho que os sete prêmios, incluindo direção, para Alfonso Cuarón estão na medida da grandeza de Gravidade. E seria meio insultoso se 12 Anos de Escravidão, com aquele retrato – que nunca houve antes – do tema, terminasse não levando o grande prêmio. Não foi difícil acertar a maioria dos vencedores principais, até no caso de filmes de que não gostei, como o Grande Beleza, de Paolo Sorrentino. Bastava seguir os indicadores. Agora chega. Já não dormi muito ontem, por conta do desfile no sambódromo. Daqui a pouco, tenho o espaço na rádio. Mas quero deixar registrado que não concordo com os que definem 12 Anos como acadêmico, e são muitos. McQueen, um artista visual, e seu fotógrafo inspiraram-se em Rembrandt. Um academicismo assim, tenho de dizer, me cai bem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.