As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Na casa de Costa-Gavras, para discutir o estado do mundo

Luiz Carlos Merten

22 Maio 2018 | 14h27

PARIS – Estou reconstituindo de forma um tanto aleatória meus movimentos em Paris. Ontewm, depois do Alomdóvar, fui ver um Patrice Chérerau antigo, La Peau de l”Orchidée, adsaptadso de James Hadley Chase, com Bruno Cremer e a jovem Charlotte Rampling. Decepcionei-me. Hoje pela manhã, fui ver Senses 5 – a série de cinema de Ruysuke Yamagachu. Cinco filmes em cartaz em diferentes horários – três sessões – no mesmo cinema. Achei uma experiência e tanto. E ninguém fala sobre sentimentos, relacionamentos como esse cara. É incrível. Estamos num momento grave da história. No Brasil, na Europa, nos EUA. O mundo implodindo e todos nós preocupados com nossas pequenas vidas. Conversei ontem, segunda, sobre isso, vocês nem sabem com quem. Z é o clássico restaurado do Festival Varilux que começa dia 7. Como vinha para Paris, pedsi à assessoria do ferstivsal que providenciasse um encontro meu com Costa-Gavras. Ele foi de uma simpátia, de uma generosidade… A par da dor, ando numa crise medonha. Parece que meu mundo implodiu. não está sendo fácil recolher os cacos e virar a página. Deveria voltar nasexta para o Brasil, voo diurno. Antecipei para quinta. Assim, recomeço a fisioterapia e a hidroginástica. Menos dor, por favor. Costa recebeu-me em casa, no Boulevard Saint Jacques. A mulher e ele – Michelle, Michou – foram adoráveis. O mestre da política revelou sua face familiar. Vovô conversou com a neta por skype, apresentou o tio brasileiro. Falamos da política do afeto e dos filmes sobre homossexualidade – no plural – em Cannes. Hoje, na Air France, a funcionária que providenciou as mudanças no meu voo foi de uma atenção extrema. Senti-me a própria versão masculina de Blanche DuBois, vivendo da caridade dos estranhos. E agora que terei um dia menos nessa Paris de chuva, e frio, tenho de me reprogramar. Queria ver a Fedra de Sêneca na Comédie Française, mas já saiu. Tem uma Berenice, de Racine. E tem os filmes que voltam amanhã, restaurados. Love with the Proper Stranger. Robert Mulligan e a dupla Steve McQueen-Natalie Wood. O Preço de Um Prazer. Vou ver o quê, agora? O HOmem Que Matou D. Quixote? Pode ser. Perdi em Cannes, mas sabia que o filme estava entrando na França. Volto ao Matador. Nacho Martinez e assunta Serna vão ao cinema. Duel in the Sun, o clássico de King Vidor com Jennifer Jones e Gregory Peck. O casal de amantes troca tiros no final. Esperame nel cielo.