As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mostra (21)/A vida é bela

Luiz Carlos Merten

31 Outubro 2018 | 09h41

Vivi ontem momentos de uma euforia selvagem. A manifestação que tomou conta da Consolação, com um policiamento monstro – nunca vi tanto PM na rua -, estava bloqueando o acesso às ruas que levam ao Itaú Augusta e eu queria assistir à sessão comemorativa dos 20 anos de Central do Brasil. Mas foi por uma boa causa. Não podemos nos dispersar. A homenagem, em si, foi singela, mas linda. O diretor Walter Salles disse poucas, mas sinceras palavras. Contextualizou o momento em que o filme surgiu. O Brasil da esperança e, hoje, o da desconfiança. Até apoiadores envergonhados, em nome do enterro, que esperam definitivo, do lulo-petismo, reconhecem que se trata de um salto no escuro. A manifestação me deu a certeza de que nada é definitivo e teremos, quem sabe, e eu espero que sim, volta. Renata de Almeida contou que estava em trabalho de parto quando a anestesista lhe disse que o filme havia recebido o Urso de Ouro em Berlim. Ouro e Prata, melhor filme e melhor atriz, para Fernanda Montenegro. Era, para ela, motivo de felicidade poder comemorar esses 20 anos – de Central do Brasil e do Jonas. Todo mundo falou sobre a contribuição de Vinicius de Oliveira, do espanto, como diz Fernanda, no olho dele. Sérgio Machado, que integrava a equipe, procurou um tempão pelo garoto e ele estava ali, acrescentou Walter, a 500 metros da produtora. “Foi Vinicius quem nos encontrou”, arrematou. E Fernanda. “É a história de um garoto que procura um pai, um País. Nós ainda estamos procurando esse País.” Fiquei feliz de estar ali. Abracei o outro Walter, o Carvalho, e me disse que só veria um pedacinho, mas aí fui ficando, ficando… Dora e Josué. Coisa de louco. Naquele ano, havia outra Dora e outro Josué no Oscar – qual é a probabilidade? – e a Academia preferiu A Vida É Bela, de Roberto Benigni. Fernanda, sempre generosa, lembrou Marília Pêra e lhe dedicou a sessão.Meniunos (e meninas), eu vi, e vivi, tudo isso, o protesto e a confraternização. Platero, perdão, Ferdinando está sorrindo para mim. A vida é bela.