As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Morrem Bertucelli e o ‘inventor’ de DiCaprio

Luiz Carlos Merten

08 de março de 2014 | 00h11

Morreu Jean-Louis Bertucelli, aos 71 anos. Jean-Louis quem? Nos anos 1960, e depois de estudar ciências e piano, ele chegou ao cinema como técnico de som. Logo, seduzido pela mise-en-scène, virou diretor. Lembro-me de ter visto numa viagem pela América Latina, não me lembro se no Peru ou na Bolívia, seu curta Oaxaca, sobre a vida num Pueblo mexicano. Pai da também cineasta Julie Bertucelli, Jean-Louis provocou sensação com Remparts d’Argile, sobre a vida numa aldeia da Argélia, onde o olhar de uma viúva filtra a enquete do autor sobre a miséria coletiva. Os habitantes protestam, o governo colonial (francês) lança contra eles o Exército. Baseado num livro famoso de P.J. Jouve, Paulina 1880 permanece no meu imaginário pela beleza da atriz grega Olga Karlatos, um furacão que assolou brevemente o cinema europeu por volta de 1970. Ela apareceu também em Esposamante, do italiano Marco Vicario, com Laura Antonelli e Marcello Mastroianni,. Nunca vi L’Imprécateur, que lança virulento ataque às multinacionais, mas vi Docteur Françoise Galland, com Annie Girardot, mais um retrato (sólido) de mulher forçada a  viver segundo regras estabelecidas pelos homens. Annie, a eterna Nadia de Rocco, ganhou o César, o Oscar francês, de melhor atriz. Bertucelli morreu ontem, em Paris. Na quarta-feira de cinzas, quem foi encontrado morto, nos EUA, foi o diretor Scott Kalvert, de Basketball Diaries, que passou no Brasil como Diário de Um Adolescente. O filme inspira-se na história real de um jovem poeta drogado de Nova York, Jim Carroll. Foi planejado para River Phoenix, que morreu de overdose pouco antes da rodagem, sendo substituído por Leonardo DiCaprio. Kalvert tinha 49 anos (só!). Comecei a escrever o post pelo registro, mas sem uma ideia precisa. Agora dou-me conta de que tanto Bertucelli quanto Kalvert analisaram a alienação individual num mundo em processo de transformação. E se um fez filmes melhores (o francês), isso não tira o mérito do outro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.