As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Meryl ajoelha e não é para rezar

Luiz Carlos Merten

09 de agosto de 2012 | 11h31

Fui ver ontem ‘Um Divã para Dois’. Sabia que era com Meryl Streep, porque perguntei para a pauteira, Eliana Souza, a Lili. Não sabia de quem era, o que era. Gostei demais, embora o termo ‘gostar’ não faça justiça à minha emoção/sensação. Havia momentos em que eu queria tirar a música melosa ou moderninha, porque achava que ela banalizava a situação filmada, e outros em que meu imaginário clamava por umas frase musical, alguma coisa bem pontual e discreta. Mas as cenas de um casamento de David Frankel me ‘apanharam’, e isso foi o mais importante. Logo de cara, uma envelhecida Meryl se olha no espelho, avalia como ficou com a camisola sexy e vai bater à porta do quarto em que dorme o marido, Tommy Lee Jones. Não são apenas camas separadas, são quartos. Mais de 30 anos desgastaram a relação. Ele a despacha na hora. Meryl não desiste. Arrasta o marido para uma terapia de casais. O terapeuta é Steve Carrell. Ele passa exercícios para a dupla, leva marido e mulher a verbalizarem fantasias e frustrações. Como Judy Davis naquela comédia de Woody Allen, Meryl compra bananas para treinar sexo oral no marido. Judy engasgava-se com a banana, lembram-se? Meryl, distraída, morde e come a fruta. No escurinho do cinema, ela se ajoelha, e não é para rezar. Que fantástica atriz é Meryl Streep, mas como Tommy Lee Jones também é bom. Não sei exatamente como classificar ‘Um Divã para Dois’. Em princípio, é uma comédia (acho). As pessoas, na sessão para imprensa, riam muito. Riam demais para o meu gosto. Pode até ser que o diretor David Frankel tenha feito seu filme como comédia, mas eu o recebi/vi como drama. Captava a ironia, às vezes sorria, só uma vez ri (muito). Na maior parte do tempo, o que me interessava era a honestidade/sinceridade daquele casal. Podem me jogar pedras, mas Steve Carrell, para mim, é um grande ator (não apenas comediante). E David Frankel… Ele dirigiu Meryl em ‘O Diabo Veste Prada’ e fez ‘Marley e Eu’. O casamento já estava no primeiro, mas lá era uma discussão meio atravessada, sobre o que ele significa para mulheres que perseguem uma carreira. ‘Marley’, circunstancialmente, é sobre o cachorro, mas é sobre o casal (Owen Wilson e Jennifer Anistron) e a família. Mentiria se não dissesse que esses filmes mexem comigo, e por diferentes motivos.