As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Melhores do cinema brasileiro

Luiz Carlos Merten

23 de abril de 2007 | 16h26

Em que mundo vivo? Viajando para lá e para cá, simplesmente não sabia – juro – que ontem foi a grande festa da Academia do Cinema Brasileiro. Evaldo Mocarzel foi quem me contou, quando ambos chegamos no Recife, ele vindo do Rio, onde a premiação ocorreu ontem, no Copacabana Palace, e eu, de São Paulo. Cinema, Aspirinas e Urubus foi o grande vencedor, ganhando nas categorias de filme, direção, fotografia, roteiro e montagem. Se há uma coisa que o leitor deste blog sabe é do meu amor pelo filme do Marcelo Gomes. Nem preciso dizer que assino embaixo. A menos que o Evaldo não tenha me informado direito – prefiro acreditar nele a fazer uma pesquisa no Google; de qualquer maneira, se estiver errado alguém vai me corrigir rapidinho -, Cidade Baixa, de Sérgio Machado, campeão de indicações (foram 15), ganhou em apenas uma, mas que uma! Alice Braga foi a melhor atriz. ângelo Antonio liderou a premiação de 2 Filhos de Francisco, ganhando o prêmio de melhor ator. O filme de Breno Silveira recebeu mais dois prêmios de interpretação – melhor ator coadjuvante, para José Dumont, e melhor atriz coadjuvante, Paloma Duarte. Os prêmios de música foram, merecidamente, para Vinicius, o documentário de Miguel Faria Jr. sobre o poeta e música que, carinhosamente (mas termina ficando pejorativo), as pessoas chamam de poetinha. A premiação de ontem contemplou produções do biênio 2005/2006, mas não incluiu os lançamentos do último trimestre do ano passado (como O Céu de Suely, de Karin Aïnouz). A importância do prêmio está no fato de a academia querer ser o grande foro por meio da qual a classe cinematográfica brasileira se manifesta, escolhendo seus melhores. Escolheu bem, embora alguns nomes talvez fossem diferentes, se fossem considerados todos os lançamentos de 2006.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.