As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Master class

Luiz Carlos Merten

15 de novembro de 2012 | 12h47

Mauro Brider pega carona no post sobre ‘À Beira do Abismo’  para dizer que finalmente viu ‘Cerimônia Secreta’ e amou o filme de Joseph Losey com o trio Elizabeth Taylor/Robert Mitchum/Mia Farrow. É um dos meus Loseys preferidos, no patamar de ‘Entrevista com a Morte’, ‘Eva’ e ‘Monsieur Klein’. A prostituta Taylor se assemelha à mãe morta de Mia, que, por sua vez, substitui a filha de Liz. Grilhões psicológicos, relações de dominação e submissão, a parábola dos dois ratos caídos no pote de leite e as mise-en-scène que se constroi em espaços fechados, portas que se cerram, num clima claustrofóbico. Sem exagero, creio que ‘Cerimônia Secreta’, sozinho, proporciona uma master class do que penso que seja o cinema. Liz, Mitchum representam o carisma. Mas Mia, o que é a Mia como cenci (é o nome da personagem, não?). A jovem Mia, antes de Woody Allen, já era gênia em ‘O Bebê de Rosemary’, ‘John & Mary’ e aqui.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.