As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Jorge de todas as mídias

Luiz Carlos Merten

06 de novembro de 2013 | 16h48

Jorge Dória foi muito mais um ator de TV e teatro que de cinema, mas ao fazer a afirmação tenho de relativizá-la. Em 1970, ao fazer seu primeiro trabalho destacado na televisão – em Nós, Aonde Vamos? –, ele já tinha uma extensa carreira no cinema, onde estreou em 1948, com A Mãe. No ano seguinte e em 1951, teve destacadas atuações em dois filmes importantes de José Carlos Burle – Também Somos Irmãos e Maior Que o Ódio. Burle foi um dos fundadores da Atlântida e, embora o estúdio tenha ficado famoso pela estética da paródia de suas chanchadas, justamente Burle fez filmes marcadamente sociais. O primeiro citado trata da questão racial, o segundo, da criminalidade. A própria estreia de Dória, em A Mãe, foi num melodrama. Ele filmou bastante e foi visto em Assalto ao Trem Pagador, O Comprador de Fazendas, A Dama do Cine Shangai, O Homem do Ano. Num certo sentido, e na ausência de atores ‘rodrigueanos’ como o lendário Fregolente, revelou physique du rôle e temperamento para encarnar os vícios da classe média, segundo Nelson Rodrigues – o que fez em O Beijo, Perdoa-me por Me Traíres, no próprio Dama do Lotação. Um ator como ele não poderia deixar de passar pela pornochanchada – e o público de Como Era Gostoso o Nosso Cinema deve se lembrar dele em Como Era Gostosa a Nossa Empregada e Ninguém Segura Essas Mulheres. No teatro, seu registro amplo lhe permitiu interpretar de Molière (O Avarento) a Arthur Miller (A Morte do Caixeiro Viajante), mas seu maior sucesso foi com A Gaiola das Loucas, criando no palco o papel que foi de Ugo Tognazzi na comédia de Edouard Molinaro, de 1978. Jorge Dória com certeza marcou com sua presença todas as mídias em que se exercitou. Na TV, participou de programas históricos, como A Grande Família – o original dos anos 1970, de Armando Costa e Oduvaldo Vianna Filho. Morreu há pouco, de c omplicações cardiorrespiratórias, aos 92 anos. Há anos estava mal, mas precisou ser hospitalizado em outubro e, desde então, seu estado só foi piorando.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: