As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Jazz como liberdade, hoje no Mundo Árabe

Luiz Carlos Merten

18 de agosto de 2018 | 10h37

Estamos em 18, e só agora me dou conta de que meu último post é de 12. Quase uma semana sem postar… É verdade que a semana foi muito agitada, cheias de filmes, peças e entrevistas – entrevistei até Mike Tyson! A entrevista estará no Caderno 2 de amanhã. Vou começar pela Mostra Mundo Árabe, que prossegue no CCBB e hoje apresenta, às 18 h, Cairo Jazz Man – op Ritmo de Umsa Megascidade, seguido de debate com o diretor Atef Ben-Bouzid. Um filme sobre jazz no mundo árabe, sobre jazz como atitude – liberdade -, não somente música. Lembrando que, na segunda, às 5 da tarde, será possível rever Com Toda a Minha Força, do qual gostei muito. Fiquei perturbado com Os Árabes Também Dançam, novo filme de Eran Riklis, o diretor de A Noiva Síria e Lemon Tree. Um garoto palestino que tem a oportunidade de estudar na Universidade de Jerusalém. O pai meio que o força a seguir um caminho, diz que será melhor para ele, mas, por circunstâncias que dizem respeito à essências do filme – olha o spoiler! -, o garoto assume uma identidade israelense. Interessante, mas também desconcertante essa questão da identidade, e numa das regiões do mundo em que ela praticamente pré-determina que serão vidas em confronto. Lamento muito que, até aqui em São Paulo, A Mostra Árabe e o Festival Judaico coincidam e se superponham, como se tivéssemos de tomar partido e não ver essas obras que, vindas de diferentes Estado e países, nos ajudam a entender a complexidade do Oriente Médio. Este ano está sendo um trenzinho – Festival Latino, 8 e 1/2 Festa do Cinema Italiano, Cine Ceará, Festival Judaico, Mundo Árabe, Gramado – que começou ontem. Impossível correr de um para outro, feito barata tonta, tentando contemplar a todos, o que não dá. Estou falando de eventos especiais de cinema, fora as estreias – esta semana foram dez! – e ainda temos o teatro, a músicas, as visuais… As mortes! De repente, vai-se uma Aretha Franklin e derruba tudo! Estou na fila com várias matérias programadas. Tudo depende do papel, da agenda, das matérias exclusivas. Nesses momentos, o blog ajuda a dar conta do que vejo, sinto. Do que me emociona. e impulsiona a não calar.

Tendências: