As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Her’

Luiz Carlos Merten

12 de janeiro de 2014 | 22h29

Senhor! Como pude esquecer que vi Her, Ela? Adorei o filme de Spike Jonze com Joaquin Phoenix e a voz de Scarlett Johansson, que faz ‘Samantha’, como se autodenomina o laptop falante que vem preencher o vazio da vida do herói. É incrível – há quantos anos vi Denise Está Chamando na Mostra? Entre 15 e 20, por aí, e neste período de tempo o mundo passou por uma verdadeira revolução. Lembro-me de como o filme de Hal Salwen parecia profético, e crítico de uma revolução comportamental que só foi radicalizando. Quem viu se lembra – os amigos deixam de ir a uma festa e, na sequência, entopem todos os canais de comunicação. Celulares, e-mails, faxes. Hoje em dia, toda essa conversa se daria no celular – pelo twitter ou Facebook. O que vai ocorrer quando as pessoas trocarem a comunicação real pela virtual? No filme de Spike Jonze, com roteiro dele, Joaquim Phoenix ganha a vida escrevendo cartas de amor, mas ele próprio está na fossa, se sentindo uma nulidade, após levar o fora da mulher. E aí, sua atenção é atraída pelo último lançamento em tecnologia – o computador falante, e você pode escolher o sexo de seu amigo(a). Samantha é maravilhosa. Planeja a vida de Joaquin, não me lembro como ele se chama. Faz até sexo com ele, diz que o ama. Mas aí um dia o herói pergunta se ela fala ao mesmo tempo com outras pessoas? Quantas? 8 mil e tantas. E ela ama alguém? 6 mil e pico. Joaquin surta de novo – Rooney Mara, que faz a ex, tinha razão. Ele não sabe lidar com emoções reais. Ainda bem que Amy Adams está por perto, como a amiga que também levou o fora do marido. A ‘mensagem’ talvez seja reacionária, à luz dos novos tempos. Não há máquina que substitua o calor do contato humano. O filme é muito bem feito. Tem uma direção de arte meio futurista e, ao mesmo tempo, a cor, muito elaborada, vale-se de tons neutros que são ‘humanizados’ por choques de tonalidades. Bem legal. E o Joaquin. Puta ator, gente. Ela estreia em fevereiro. Deve ficar entre os nove indicados do Oscar. Mas Spike será indicado para melhor diretor? E Joaquin para melhor ator? Nos sites de apostas, ambos estão bem cotados. Vamos esperar até quinta…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.