As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Harry Carey Jr.

Luiz Carlos Merten

30 de dezembro de 2012 | 17h45

Passei um sábado de cão e nem tive condições de falar sobre ‘A Filha do Pai’, que vi na sexta-feira à noite. Já havia visto o filme de Daniel Auteuil em Paris. A revisão lhe fez bem. A glória de Marcel Pagnol – embora a atriz Astrid-Bergès Frisbey tenha me dito, no Rio, que o diretor fez seu elenco ver várias vezes’La Terra Trema’, do meu amado Visconti, seu filme está mais próximo, em espírito, do díptico formado por ‘A Glória de Meu Pai’ e ‘O Castelo de Minha Mãe’, de Yves Robert. Auteuil fez um filme à moda antiga, cheio de encanto, para discutir o tema das escolhas morais. No final, a plateia do Espaço Itaú não se mexeu. Ficou todo mundo sentado até o fim dos créditos, ciurtindo a gravação de ‘Catarí’, por Caruso, que serve de matriz na trilha de Alexandre Desplat. Ocorre que passei mal a noite de sexta para sábado – uma dor nas costas que se tornava lancinante quando tossia. Fui à emergência do 9 de Julho. Não é pneumonia – aleluia! A dose de dipirona na veia me deixou sonolento, e as coisas pioraram. Vomitei, nada me parava no estômago, um horror. Hoje estou me sentindo melhor, mas não sei se é por ainda estar fragilizado. Morreu Harry Carey Jr. e a sua morte me deixou muito emocionado. Ele morreu aos 91 anos, ‘gracefully’, pacificamente, como sempre viveu, segundo sua irmã. Harry Carey Jr. foi, acima de tudo, um ator característico que trabalhou em vários filmes de John Ford – ‘Legião Invencível’, ‘Caravana de Bravos’, ‘Rastros de Ódio’ etc. Em 1994, ele relatou sua experiência num livro autobiográfico – ‘Company of Heroes – My Life in the John Ford Stock Company’. Foi justamente o que me emocionou. Harry Carey viveu na companhia de heróis. Talvez fosse o último daqueles lendários intérpretes de Ford – John Wayne, Ward Bond, Hank Worden,. Ben Johnson. Todos já se foram antes dele. Já contei para vocês que foi uma experiência meio mística para mim pisar naquele solo sagrado do cinema – Monument Valley. Tenho pensado muito em John Ford, e bopa párte disso em função do ‘Hobbit’, tão fordiano, de Perter Jackson. A morte de Harry Carey Jr. ativou ainda mais as lembranças. Transportei-me à John Ford’s View, de Monument Valley, assim chamada porque era o ângulo preferido do grande diretor. Não quero ser melodramático dizendo que o velho Harry reencontrou seus amigos. Mais importante é que, no meu imaginário, ele é imortal na John Ford Stock Company.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.