As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Hamelin’

Luiz Carlos Merten

22 de novembro de 2009 | 23h13

Antes de ‘Hamelin’, deixem-me acrescentar só mais uma coisinha sobre ‘O Inquilino’, que acho que não ficou clara naquele post. Escrevi, escrevi e não disse o essencial. Sobre o que versa ‘O Inquilino’? É sobre o medo da perda da identidade. Ou a memória me falha muito, ou tem uma cena em que o personagem, o pequeno polonês, diz algo como – “Que direito tem a minha cabeça de se chamar eu?” Dito isso, quero falar de ‘Hamelin’. Tive um fim de semana bem teatral. Desde sexta, assisti a quatro peças – ‘Restos’, ‘As Meninas’, ‘Da Possibilidade de Alegria no Mundo’ e ‘Hamelin’. Cada uma me ofertou alguma coisa, mas o melhor espetáculo, a melhor montagem, foi a da opeça de Juan Mayorga, autor que desconhecia Não pesquisei na internert, mas, com este nome, o cara deve ser espanhol. O filme é sobre um policial que investiga caso de abuso sexual contra um menor. O título faz referência à célebre história do flautista – que Jacques Demy transformou em filme com Donovan. Adorei a estrutura da peça – as cenas vão sendo enumeradas e existem narradores que vão comentando para a gente. No limite, é uma peça sobre a linguagem, tratando de um sujeito – o policial – que devassa uma família (a do menino abusado) e fica tão obcecado que não consegue ver o que se passa em sua família, com o filho dele. Acho que a peça, simplesmente filmada, daria um roteiro maravilhoso, alguma coisa na linha do cinema de Jean-Marie Straub, cuja obra, sozinho ou em conjunto com Daniele Huillet, também é, toda ela, uma reflexão sobre a linguagem. Gostei muito do caráter meio rascunhado, da peça e da encenação. Nada é conclusivo e, por isso mesmo, saí do CCBB com a cabeça em ebulição e o coração oprimido. Estava realmente no momento ‘ideal’ para ler o recorte sobre Roman Polanski que guardara no bolso. ‘Me fui como quien se desangra…’ Vladimir Brichta é um p… ator. Na apresentação, o diretor André Paes Leme diz que ‘Hamelin’ é um daqueles projetos, como disse um amigo dele, que são feitos com convicção. Não só Vladimir, todo aquele elenco – Alexandre Dantas, Alexandre Mello, Cláudia Ventura, Oscar Saraiva e Patrícia Simões – me pareceu bem consciente. E eu confesso que me emocionei muito vendo aqueles adultos fazerem crianças. Uma certa maneira chorosa de falar, de torcer as mãos, de fragilizar o corpo… ‘Hamelin’ fica mais uma semana no CCBB. Não sou crítico de teatro, mas, se uma recomendação minha vale alguma coisa, sugiro que vejam.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.