As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Gramado 6/Latinos!

Luiz Carlos Merten

31 de agosto de 2016 | 10h18

GRAMADO – Depois do vacilo inicial com o concorrente cubano, a competição latina deslanchou no segundo dia com o boliviano Carga Sellada, de Julia Vargas, e o paraguaio Guaraní, de Luis Zorraquin. Amo o cinema paraguiaio. Por mim, Hamaca Paraguaia, de Paz Encina, teria levado a Caméra d’Or de 2006, mas os irmãos Dardenne, que presidiam o júri, não quiseram nem saber. Gostei muito, também, de La Ultima Tierra, de Pablo Lamar. A partir daí, se o filme é do Paraguai já fico na expectativa. Guaraní tem o minimalismo típico das produções do país. Minimalismo de meios e resultados. Não sei até que ponto as condições econômicas da produção determinam as escolhas estéticas, como no neorrealismo italiano. Só sei que Guaraní me encantou. Um velho numa casa de mulheres. Ele sonha com um neto varão para lhe passar seu conhecimento – vovô se recusa a falar espanhol. Segue no idioma guarani. A tragédia do Paraguai, quando a Tríplice Aliança, incluindo o Brasil, se uniu para orquestrar um genocídio, sob o pretexto de combater um ditador – como as pedaladas fiscais são meros pretextos no processo contra Dilma. Se não fosse isso seria qualquer outra coisa que fornecesse a mínima (minima!) sustentação legal. O avô viaja mil quilômetros com a neta até Buenos Aires, onde outra filha, a mãe da garota, está grávida de um menino. Ele vai em busca do menino ou para entregar-lhe a garota? O filme é lindo. O boliviano dividiu as opiniões. Um oficial é encarregado de transportar carga tóxica num velho trem, através do território da Bolívia. Um pequeno grupo de militares, uma mulher libertária, os campesinos que protestam ao longo da ruta. Apesar da mulher, das mulheres que, ao longo do caminho, enfrentam o comandante militar, o universo do filme é predominantemente masculino. A diretora Julia Vargas tem pulso. Sua narrativa, ao contrário da de Guaraní, é caudalosa. Multiplicam-=se os incidentes, acontece muita coisa. O filme vira um pesadelo. O ‘povo’ vence. Pode até ter sido isso que aqueceu meu coração. Carga Sellada é bom. A diferença é que Guaraní é ótimo.

Tendências: